A crise e a solidão

Escrevo no momento em que meus vizinhos batem panela e sopram vuvuzela. Me sinto só, como me sinto só entre meus colegas de profissão, na academia e em tantos lugares.

Devo estar muito errado, porque a corrente toda vai para um lado, e me vejo remar contra ela. Me sinto, eu próprio, um malfeitor, porque está todo mundo tão certo sobre os crimes de um único lado, que o simples fato de questionar as verdades hoje inquestionáveis me colocam como aliado do mal.

Mas, como acima de tudo estão minhas convicções democráticas e o meu propósito de ser crítico, o que significa ao menos tentar ver o outro lado, vou marcar minha posição.

Nunca escondi que sou de esquerda. E quando me digo de esquerda, o faço pragmaticamente. Não defendo coisas que no meu tempo histórico me parecem irrealizáveis. Para mim, hoje, no Brasil e no mundo, ser de esquerda é lutar pela redução das desigualdades sociais, por saúde e educação para todos, pela defesa do meio ambiente, pela igualdade de gêneros, por políticas de inclusão, contra a brutal concentração de renda.

Isso me leva a uma série de convicções, como, por exemplo, sobre a importância do papel fomentador do Estado, porque sei muito bem que o mercado pode servir para muitas coisas, mas nunca para assegurar uma maior igualdade entre as pessoas. O mercado deixado solto gera desigualdades sociais crescentes, e só o Estado pode, por meio do direcionamento dos tributos e dos investimentos, contrabalançar essa tendência.

Quando vejo um governo cumprir esse papel, fico satisfeito. Quando vejo que um governo deixou de cumprir esse papel, mas as alternativas que se põem são de retrocesso, não quero que ele saia.

Mas – me perguntarão –, isso pode me levar a ser complacente com a corrupção? Não, de jeito nenhum. Mas – e aí peço alguma serenidade no pensar –, qual corrupção queremos extirpar? Só a do atual governo? Não dos demais? Podem explicar, meus amigos de classe média, o motivo de baterem panelas só para um? Ainda aguardo uma resposta convincente sobre a indignação seletiva, mas não a ouço.

Tento adivinhar uma explicação ao menos convincente, e me ocorre uma: é que esses estão no governo, e por isso são o alvo; fosse Aécio o presidente, as panelas seria batidas contra ele. Mas acho difícil de acreditar que meus vizinhos moralistas agiriam assim.

Tenho uma outra convicção, tão forte quanto a da inclusão social: a da necessidade de defender a democracia. Em outras palavras: as regras do jogo. E não falo só de o mais votado tomar posse e exercer o governo, mas de preservar o Estado Democrático de Direito, que a Constituição escreve assim, com maiúsculas.

Falo, por exemplo, da presunção de inocência, do devido processo legal, do princípio do juiz natural. Vejo com tristeza a caça às bruxas. E a caça às bruxas é assim: primeiro as escolhemos e depois vamos procurar as bruxarias que possam ter cometido.

Mas, para muitos, a democracia é meramente instrumental. Interessa só quando nos é útil, e as regras do jogo são dilatadas e retorcidas ao sabor dos interesses.

Esses dias, mencionei artigo de Sérgio Moro de 2004 em que enaltecia os vazamentos de delações à imprensa, e apontei a coincidência com os vazamentos seletivos da Lava Jato. Fui acusado de atentar contra a Lei Orgânica da Magistratura, por criticar a jurisdição de outro magistrado.

Pois quero dizer que me assusto com tantos juízes se fotografando de toga em defesa de Moro e com tão poucos juízes se questionando, ao longo dos meses, com o fato de que delações obtidas em segredo de justiça tenham sido seletivamente vazadas. Me assusto enquanto hoje vejo tantos juízes estarrecidos com o telefonema de Dilma a Lula e quase não vejo juízes preocupados com o ilegal vazamento da conversa.

Sinto, nas ruas e nas redes sociais, uma ideia de justiçamento, uma adesão incondicional a práticas que cada vez mais se revelam ilegais, uma histeria acrítica. Vejo serem eleitos heróis que querem botar fogo no circo e não vejo vozes de moderação.

A Lava Jato teve o grande mérito de escancarar algo de que há tempo se tinha conhecimento: a corrupção que age nas entranhas do Estado brasileiro. Isso é positivo: é necessário que tenhamos investigações sérias e os culpados sejam condenados.

Mas, devemos ter clara uma coisa: a Lava Jato passará e não será ela que mudará as condições que permitem a ocorrência da corrupção. A tão festejada Mani pulite criou um vazio político que permitiu a ascensão de Berlusconi, político tão ou mais corrupto quanto os que foram forçados a sair de cena.

Na verdade, a corrupção é endêmica e não é um fenômeno nacional. Há países em que ela é maior, há países em que é menor. E há países em que espasmos moralistas dão uma varrida, sem que a prática seja diminuída – nem digo erradicada, porque isso é impossível.

Mas, nesse clima de cruzada cívica, quem quer saber de discutir as causas da corrupção e a criação de mecanismos para combatê-la? Queremos apenas lavar a alma e sentirmos a espada da justiça se abater sobre os corruptos de hoje.

Alguém se interessa, por exemplo, com ter uma lei anticorrupção? Alguém discute o aperfeiçoamento de organismos de controle, seja no âmbito do Executivo, seja dos demais poderes? Alguém acredita no Tribunal de Contas da União? Alguém acredita ainda no presidencialismo de coalizão? Alguém pensa em reforma política? No modo de financiamento de campanha? Mas isso não são temas com os quais nos preocupamos, embora daí nasça a corrupção.

Parece que nos contentamos em reduzir tudo a refrões, como o das ovelhas da Revolução do Bichos.

Se sou democrata, devo pensar: o que virá depois disso? Para onde nos levará a radicalização? Quem virá depois, se o governo cair? Não falo nem da ordem de sucessão, Temer, Cunha, etc., falo do cenário político nacional.

Isso não é um problema menor. Hoje a cena política nacional está dividida entre PT e PSDB. Se cair o PT, virá o PSDB? Diminuirá a corrupção?

Pior que isso, vejo se criar um preocupante quadro de vazio político. Se Aécio e Alckmin foram corridos da Avenida Paulista, o que sobra? Dizem que os novos heróis nacionais são Moro e Bolsonaro, não sei em que ordem. Moro é juiz, e não pode ocupar esse lugar. Aliás, desconfio muito de juízes nesse papel. E Bolsonaro, bem, desse nem preciso falar.

Será que os radicalizados de hoje pensam nisso?

Outro dia ouvi alguém comentar que, neste momento em que começam a se tornar públicos os podres dos caciques do PSDB, logo dariam um jeito de se acertar com o PT, para se protegerem mutuamente.

Acredito que esta foi uma avaliação equivocada, mas, num outro sentido, há muito tempo penso na necessidade de criar um diálogo entre os representantes das maiores forças políticas, em busca de um pacto que envolva a governabilidade e o compromisso de construção de uma nova institucionalidade. E não vejo ninguém com a mesma representatividade de Lula e FHC para iniciar qualquer diálogo. O Brasil não tem outras lideranças democráticas, e o debate que parta desses dois pode indicar o caminho para reafirmar a democracia, com outras bases, e livre dos messianismos autoritários.

As panelas silenciaram, buzinas continuam na rua. Sigo me sentindo só. Lembro de Descartes. Penso, logo existo. Acredito que ele me desculparia por me apropriar assim arbitrariamente dessa frase, e acho que faria bem para nossa existência que cada um de nós tentasse pensar um pouco.

* – *

Escrevi O espelho, sobre as estranhas rugas que surgiram no rosto de muitos de democratas.

(Visited 81.190 times, 1 visits today)

101 comentários em “A crise e a solidão

  1. A leitura deste texto, embora não tenha nada de motivador ou que se pretenda otimista, me trouxe um pouco de calma diante do pavor que se instala. Uma voz suave, como se sentisse a solidão. Quase poesia.
    Por outro lado, tenho me perguntado sempre que vejo as fotos dos juízes de toga, por que não há manifestação semelhante em apoio à drª Kenarik Boujikian??

    1. Golpe? por favor, parem e pensem maior golpe do que já esta acontecendo em nosso país, governado por pragas! Juiz Moro tornou publica a gravação, não foi vasamento! O que deixou clara a intensão de por Lula ministro. Parem de desviar os fatos e exijam explicação desses que vocês ajudaram a por no governo! Não participei fe panelaço e nem fui nos protestos, mas, não votei nessas pragas e Não Aécio não seria melhor, mas que esses pagem exemplarmente para os próximos governantes aprenderem que não sairão impune.

      1. Meu Caro Carlos,

        Seus comentários “sobre apreenderão que não sairão impunes” me faz lembrar das manifestações para impedimento do Ex-Presidente Fernando Collor, onde participei fortemente na cidade de Brasilia. Onde está o Collor agora? Onde estão os aliados de Collor na época do impedimento, Renan Calheiros, etc..? Infelizmente, voce e a maioria do povo brasileiro, lê um texto, mas não consegue interpretá-lo. Por este motivo a impunidade prospera,porque uma nação que não consegue interpretar corretamente os fatos que a cercam, se torna facilmente manipulada. Além disso, a memoria brasileira é de curto prazo. Daqui a dois anos voce e todos os brasileiros nem se lembrarão o que foi Lava Jato e o teatro tupiniquim com seus costumes ilícitos seguirá a peça adiante, com apenas alguns novos atores no enredo.

        1. Parabéns! O que os inocentes (prefiro esse termo por não ser ofensivo) ainda não conseguiram entender, é que a história está apenas se repetindo, e que o desfecho disso tudo será o mesmo de sempre: Entregar o galinheiro para os lobos cuidarem.

        2. Olá Fernando!
          Comungo de tua resposta a Carlos. A impressão que tive ao lê-la é de que ele não compreendeu e se o fez, não fez questão de mudar seu pensamento já firmado acerca do que trata o texto tao bem escrito, tão delicada e sinceramente exposto. A situação é tao grave. As posições estão marcadas. A historia anda, porém em círculos, mas não se repete. Quando parece voltar ao que já foi, tem traços de semelhança, que sempre são piores. O que virá, diferente do que muitos afirmam, será pior do que 64 e suas consequências. Temo pelo futuro das novas gerações.

    2. Peço permissão ao autor para sentir-me co-autora desse texto, pois ele reproduz em palavras o que vai na minha alma e no meu coração, hoje, um tanto enlutados por tudo isso que presencio, nos meus arredores, no meu trabalho e até mesmo na minha casa. A lucidez das palavras e a sensatez das reflexões me trouxeram um pouco de alívio e me deixaram um pouco menos só.

      1. Maristela, também comungo desse sentimento de solidão e impotência e das palavras que foram ditas com tanta propriedade e serenidade. Acredito que é imperioso continuar externando nossos posicionamentos mas, diante de tantos histerismos, às vezes nos parece inútil. Daí esse sentimento de solidão. No entanto, como disse, é necessário que continuemos pois, quando lemos um texto de alguém tão lúcido, sabemos que não estamos sozinhos e que vale a pena. Deixemos ecoar!

  2. parabéns, Compartilho completamente das suas colocações. Fui academica das ciencias humanas, esperançosa com o projeto petista e estou temerosa com a paisagem brasileira.

  3. As idéias apresentadas no texto estão em plena sintonia com a minha forma de pensar. Tenho a minha volta algumas pessoas que dispõem do mesmo modo de ver a situação atual, mas o número de discordantes é muito maior. Sendo assim, também me sinto contra a corrente e num certo isolamento. Não é uma sensação nova, mas nem por isso traz conforto. Torço pra que as arbitrariedades e desrespeito a nossa Constituição, promovidos por uma determinada conjunção jurídico-midiática não comprometam seriamente a nossa democracia. Lamento que esse partidarismo, onde deveria haver imparcialidade, insufle pessoas que se comportam histericamente, manifestando um ódio direcionado ao governo, mesmo que este tenha sido eleito de forma legítima, mesmo que mostre um desempenho superior aos governos de outras legendas, mesmo que combata a corrupção mais do que qualquer outro governo anterior. Todos perdemos com tudo isso.

    1. O texto reflete muito das minhas dúvidas. Se não for esse governo, qual será? Mas discordo totalmente de sua colocação, de que este governo combateu a corrupção mais do que qualquer outro. Votei duas vezes no PT acreditando nas promessas de combate à corrupção e com tristeza vi que somente deram continuidade a ladroeira e pior, fizeram e fazem com profundo escárnio.

  4. Parabéns pelo corajoso posicionamento, que nos dá a certeza de que a magistratura não comporta justiceiros messiânicos nem a aplicação seletiva da lei e dos princípios constitucionais, de acordo com as preferências do julgador. Isso é despotismo puro, típico das ditaduras.

  5. Muito bom ler teu texto, me identifiquei completamente. Aplacou um pouquinho a solidão. Estou estarrecida com a falta de responsabilidade de uma classe que foi fortalecida pelo crescimento econômico e, que agora, não reflete sobre as consequencias da fragilização da democracia. A repetição da historia é assustadora e sabemos que o après coup do golpe é chamariz de oportunistas e tipos políticos da pior especie. Nada bom pode resultar daí. As pessoas que vao pra rua e batem panelas estão raivosas e cegas, sem interesse em racionalizar ou ponderar. Voltamos a era medieval e pessoas serão queimadas vivas, sem julgamento. Triste e solitario.

  6. O Golpe está acelerado e agressivo. Estas pessoas incitadas à panelaços e passeatas em verde – amarelo estão cegas por levar o país à pior derrota democrática desde a Ditadura Militar. Este artigo me ajuda a organizar as idéias e me deixa saber que, mesmo nos sentindo sós, ainda somos muitas e muitos. Nunca pensei ver isto que está acontecendo. Acreditei que as mudanças não parariam e que a América Latina passaria a ser um exemplo. No Brasil, mais um triste golpe sendo construído. Mas eu vou pras ruas, não vou me entregar sem lutar.

  7. Durante muito tempo trabalhei na Ajuris, e neste tempo de trabalho convivi com muitos Juízes, alguns como Moro, e outros mais lúcidos como Dr. Pio, sinto não ter convivido mais. Mas me sinto aliviado porque não sou único a me sentir solitário, principalmente em saber que ainda posso contar com alguém no Judiciário que tem noção não só das Leis mas do lado social do DIreito.

  8. Senhor magistrado,
    Lendo o seu texto e lembrando-me da declaração do ex-ministro do STF Joaquim Barbosa de que votou no PT fico (não é retórica) profundamente assustado com a ignorância abismal que pode acometer pessoas com um poder – e profissão – de decisão tão grande.
    O senhor diz o que é, “para o senhor”, ser de esquerda. O senhor não está a par que coisas lançadas na internet ficam perpetuadas para falar tantos disparates?
    Considerando o que o senhor disse significar ser de esquerda, então ser de direita é lutar pelo aumento das desigualdades sociais, por um povo burro e doente, contra o meio ambiente, e pela brutal concentração de renda.
    Será que na sua mente esquerdista não tocou nenhum “alarme” quando começou a escrever o que entende ser de esquerda, aconselhando inconscientemente a procurar livros e autores qualificados a fim de dar uma explicação decente?
    Quando revisou o texto não lhe pareceu que sua redação seria idêntica a de uma criança?
    Pareceu-lhe sinceramente que estava em condições de escrever um texto engrandecedor para os demais?
    O senhor faz ideia do estrago que alguém tão desqualificado intelectualmente (além de possivelmente ser eleitor de PTs e PSols) pode fazer impondo suas decisões lastreadas numa ignorância tremenda às pessoas?
    Aprenda, senhor, e não fale mais essas coisas. Saia da tenra infância ideológica. Ajudo-lhe. Esquerda não é ser “do bem” (meu deus, um juiz acredita nisso! UM JUIZ!!!! Pobres jurisdicionados!). Ser de esquerda é – compartilhando o mesmo fim de bem estar da sociedade em geral que as outras ideologias – acreditar que o ESTADO deve ser o indutor principal da realidade que deseja!
    A partir daí entramos nas suas outras ponderações do mesmo nível que a sua definição de esquerda. Então o mercado provoca a instauração do próprio inferno na terra? Miséria, desigualdade, etc?
    Existem alguns trabalhos que classificam os países do mundo conforme o seu livre mercado, abarcando inúmeras categorias de liberdade, como p. ex. a fiscal, a trabalhista, o respeito à propriedade, onde cada uma recebe uma nota que, ao fim, compõe a nota geral de cada país. Indo desde países como Suíça, um dos primeiros colocados, que não possui sequer salário mínimo até Venezuela, um dos últimos, onde o Estado é bastante indutor do desenvolvimento, como o senhor defende.
    Acho que não tem muitos suíços sonhando em morar na Venezuela.
    O senhor pode consultar,p. ex. o Index Of Economic Freedom ou o Economic Freedom Of The Word, ambos estão disponíveis na internet. Pode acompanhar as notas ano a ano de cada país. Pode comparar as notas dos países entre si e verificar o seu desenvolvimento.
    O mundo é impressionante quando ultrapassamos os 5 anos de desenvolvimento mental. Saiba que, mediante pesquisa encontramos países lado a lado, ou países que foram divididos, ou cidades que foram divididas, quase o mundo inteiro foi dividido uma vez, onde um lado abraçou um caminho de mais liberdade, e outro o seu idealizado caminho através do estatismo. Ache-os e verifique os desdobramentos.
    Enquanto isso ficarei eu imaginando a qualidade do seu trabalho. Decerto, quantas disputas o senhor já julgou entre uma empresa privada e um órgão estatal. Pobre da primeira! E haveria algum advogado que ganhou alguma ação contra o Estado, que decerto teve seus honorários de sucumbência arbitrados bem modicamente afinal “o Estado é do bem, como tirar dinheiro dele para dar para particulares?”. Não há maiores inquietações quando somos prejudicados pela nossa própria ignorância, complicado mesmo é quando o prejuízo vem pela ignorância alheia.
    Por fim, o senhor questiona se a corrupção iria diminuir em eventual governo PSDB. Veja bem, o senhor é juiz, digamos que está julgando um caso. Então um agente está no poder já faz mais de uma década, nomeia o chefe da PF, do MPF e 90% dos tribunais superiores, da AGU, da Receita e de todos os órgãos com possibilidade de encontrar malfeitos de outro agente, com o qual mantém inimizade ferrenha. Ocorre porém, que não obstante toda essa máquina apontada para o desafeto, os maiores malfeitos encontrados tanto em frequência quanto em gravidade são do próprio agente. Diante disso a sua sentença é que os dois agentes… são iguais!
    O senhor é realmente um perfeito retrato de um esquerdista!

    1. nossa, Leandro: o único texto na página que me parece sair de uma visão de ‘infância ideológica’ é o seu…
      acho que você sequer entendeu o texto principal aqui… pena! incrível como o viés ideológico por vezes nos limita a visão… tente imaginar, ao menos, que o mundo talvez seja um tanto mais complexo do que ‘do bem’ X ‘do mal’… quem sabe, seja um começo para sair do fla x flu em que se encontra; provavelmente sem perceber, você caiu na armadilha que tenta acusar no autor do texto: suas palavras tentam convencer que ‘esquerda’ é do mal… enquanto acusa o autor de dizer o contrário: ele não disse isso! apenas deu sua visão de porque ele se considera esquerda…
      boa alfabetização pra você
      =(

      1. Bom dia, Nina.
        Veja, meu texto condena justamente a visão bem x mal. Note que foi o magistrado que (por mais inacreditável que seja) definiu esquerda como a ideologia que busca instaurar o paraíso na terra. Minha visão é diferente. Não sou intelectualmente simplório para achar que minha ideologia quer o bem e as outras – por dedução – são más. Reconheço a boa intenção dos que se dizem capitalistas, comunistas, libertários, etc. só questiono o seu método. O vergonhoso texto do juiz sim, vai pelo caminho que você me acusa. Como bom esquerdista que é bebe da fonte de que seus adversários são inatamente maldosos e o resultado dessa postura a história já mostrou diversas vezes qual é, quando homens “do bem” chegam ao poder é muito fácil deduzir qual tratamento deve ser dado aqueles que (na cabeça ignorante deles) antes de dormir ficam na cama pensando em como fazer gente passar fome, gargalhando de felicidade quando alguém morre na fila de um hospital.
        E qual o problema do flaflu? Será que os contrários do apartheid, do nazismo, do Khmer vermelho também ficaram preocupados em não criar um flaflu? O país está sendo escancaradamente roubado, pais estão vendo filhos serem tratados como gado em hospitais e pra você ninguém pode protestar pra não criar flaflu?

          1. É bom q permaneçam, nós q estudamos e aprendemos a raciocinar, precisamos saber da real envergadura da ignorância q atravanca a evolução.

          2. Infelizmente, não da para editar o comentário, como li uma vez: O senhor não está a par que coisas lançadas na internet ficam perpetuadas para falar tantos disparates?

          3. Não apaga Leandro Marques, concordo que não tem mais o que discutir a respeito, mas seu posicionamento está excelente.

            Só gostaria de acrescentar uma observação a essa pergunta: “Alguém se interessa, por exemplo, com ter uma lei anticorrupção?”
            (…) “Mas isso não são temas com os quais nos preocupamos, embora daí nasça a corrupção”

            -O Sr. Pio está enganado. 1.739.072 pessoas assinaram a proposta do MPF das “10 medidas para o combate à corrupção” a ser encaminha ao congresso para aprovação, portanto, se preocupam. Infelizmente, não conheço nenhum simpatizante do atual governo que assinou, deve ser por isso que diz “não nos preocupamos”.

          4. Prezado Leandro, por favor…mantenha seu texto neste espaço para que, ainda por curiosidade, pessoas que se julgam esquerdistas e que acreditam que somente com um Estado forte o mundo será salvo das forças do mal, possam lê-lo e refletir por alguns momentos acerca de suas convicções ideológicas. Parabéns pela coragem e pelo conteúdo claro.

    2. Caro Leandro, li com bastante atenção os dois textos e gostaria de parabenizá-lo, pelo que escrevestes. Não sou, nunca fui e não serei de esquerda. Sou um emprendedor, gero empregos, pago impostos, pago seguro saude para meus colaboradores, porque me recuso a deixá-los dempende do SUS, ( pelo que o Estado arrecada, deveria dar um melhor atendimento, mas como sabemos os governos, independente de bandeiras deixaram sucatear, saude e educaçao em nosso pais). Não sei se isto é ser de direita, mas só acredito em uma coisa: só o trabalho gera riqueza e só através do trabalho pode-se melhorar as condições das pessoas e assim diminuindo as desigualdades. É muito fácil para estes mentores intelectuias de esquerda, que nunca trabalharam falar que a direita é o problema, falar é muito fácil eu prefiro agir, criar emprego, desenvolver pessoas, etc….
      Novamente parabens

    3. E senhor, se me permite, é alguém como muitos, que sem respeito algum ao pensamento de outrem, vem anunciar sua única verdade. Algo de base, que tem afetado os valores nesse pais é o respeito, que me parece lhe faltar ao “julgar” um depoimento.

    4. O seu ódio é tão latente que me faz repudiar a direita ainda mais. Não és (como boa parte dos pró-impeachment) capaz de dar tua opinião sem ofender, inferiorizar, agredir e manipular fatos a teu bel prazer. Me desculpe meu senhor LEANDRO GONÇALVES MARQUES, não te conheço pessoalmente, mas nas primeiras linhas do teu enorme texto que nem perdi meu tempo de ler, vejo o quanto és ignorante politicamente. Teus argumentos não serão levados a sério enquanto os vomita como um gato cuspindo uma bola de pelo. É nojento, asqueroso e deprimente tentar achar alguma argumentação em meio ao teu discurso de ódio para debater contigo. Peço encarecidamente que procures ajuda psicológica e tenho pena das pessoas que te cercam.

      1. Marcelo,

        Desculpe-me dizer mas, você, ao contrário, está se mostrando justamente o rosto dos radicais de esquerda. Você mesmo escreveu que “nas primeiras linhas do teu enorme texto que nem perdi meu tempo de ler”. Dessa forma, você se torna surdo e cego aos argumentos que são contrários à sua ideologia, e se torna, portanto, o dono da verdade absoluta. Se você não o é, e minha interpretação da sua fala foi errada, te peço então que antes de responder, leia com calma o texto e me explique melhor como fazer um debate de ideias sem que os dois lados sejam escutados, e sem radicalismos.

        Li e reli o texto e não achei o texto do LEANDRO ofensivo, de ódio, ou que foi vomitado “como um gato cuspindo uma bola de pelo”. Os pontos em que ele pode ter usado uma expressão mais forte foi quando ele questiona ao autor se não achou o texto dele “infantil”. Essa foi uma opinião dele, talvez, mas isso não é uma ofensa, e ele abre para que o próprio autor defenda e argumente da não infantilidade do texto. Eu não concordo, achei o texto original bom, apesar de discordar com algumas colocações dele, que pretendo lançar aqui mais tarde. Mas o texto em si é bom, e levanta pontos que devem ser questionados sim. Mas uma crítica que faço ao texto, já pra adiantar é: ele é pessimista demais na minha opinião.

        Usou-se o exemplo da operação mãos limpas na Itália, que fez ascender ao poder um homem da estirpe de Silvio Berlusconi. É engraçado citar isso, pois justamente Berlusconi foi desacreditado pelas escutas telefônicas divulgadas pela imprensa italiana. O mesmo entrou com um projeto de lei que impunha restrições à imprensa (isso tem um nome: censura) e a proibição da publicação das escutas.

        Mas então, o que devemos fazer? Manter os atuais políticos no poder (e me refiro aqui a todos, de Dilma a Aécio, de Cunha a Renan, De Bolsonaro a Jean), mesmo eles usando a máquina pública ao bel prazer, enquanto ficamos todos aqui esperando que tomem consciência de seus atos de forma altruísta e passem a governar para o POVO? Sinceramente, acho que investigar a todos, independente de quem seja, é o mais importante. Inclusive o próprio Sérgio Moro, para que este também não se deixe levar pelo poder sedutor em nenhum momento.

        Finalizando, o debate construtivo se faz quando dois lados lançam argumentos e ouvem os argumentos contrários. Quando você, mesmo tendo suas crenças e ideologias, mantém o pensamento autocrítico de poder estar enganado, de que o outro pode ter um pensamento melhor, uma ideia melhor.

    5. Ok, melhor se o estado interviesse menos, mas o povo viciou assim e nem foi a esquerda que criou o modelo. Criticas-te a forma de o Juiz descrever a esquerda, mas não nos descreveu a vossa Direita. Gostaria de ler a mesma pois acabei lendo texto e comentários para aprender mais sobre política. Obrigado.

  9. O fato de governos passados terem sido corruptos não justifica as ações do governo atual. O resultado está aí, só não enxergar quem não quer. Distribuir renda não é dar esmolas como a petralhada fez. É criar condições sólidas para a construção de uma economia estável, com bases sólidas, com incentivo ao MÉRITO, não ao FAVORECIMENTO. Esquerda, direita, centro… Só esquecem de usar as PALAVRAS COMPETÊNCIA, TRABALHO, HONESTIDADE… Não preciso convencer ninguém, as ações da petralhada fala por si. Nem todos que são contra os petralhas são a favor de outras siglas.

    1. Poderias ter feito toda a tua argumentação sem citar palavras depreciativas como petralha, petralhada… essa forma de se expressar é que precisa mudar, pois isso é discurso de ódio contra pessoas. Teus argumentos são bons, embora falaste de mérito, que se torna muito relativo em uma sociedade tão desigual como é a nossa. Continue argumentando, sei que acreditas do fundo do teu coração em tudo que estas dizendo e em parte concordo contigo. Somente, por favor… não contribua com o discurso de ódio pregado por pessoas que estão querendo incitar a violência e uma possível guerra civil. Vamos manter a sanidade nos debates.

  10. Senhor, Que bom ler suas palavras. Moro numa rua movimentada e parecia que era carnaval fora de época.
    Com escola de samba e panelaço. Senti-me muito só,mas não era uma necessidade de ter pessoas por perto. Era uma tristeza de ver para onde vai a humanidade. Tão frágil . Tão grosseira e manipulável.
    Carnaval, como assim? Sem alegria, com palavras de ódio. ( prende!, prende!)…Ocorreu-me o Coliseu de Roma, onde o deleite era o massacre de outros seres humanos. Sem julgamento, esclarecimento. Procurei alguém para ler…e hoje encontro. Com humildade digo que vi em suas palavras o que me atormentava ontem. obrigada.

  11. Parabéns pelo texto Pio!
    Inspirador, lúcido; e, num momento assim, diria, corajoso.
    Nas tuas palavras encontrei um argumento e tomei coragem: “compartilhei no Facebook”… Confesso, já tensa pelas ‘pedradas virtuais’ que tenho (temos) recebido, cada vez que ensaio (ensaiamos) algum questionamento nesse sentido que tu colocas.

  12. Caro Pio,
    Estava aqui em casa comentando a solidão que era voltar para casa e se deparar com buzinas, sacadas barulhentas e toda uma festa sendo realizada, para a qual eu fui totalmente expulsa. Nasci durante a democracia, sou filha dela e também de um Brasil que viu a diminuição da desigualdade. E assim, achava que o futuro nos guardava flores. Então eu, que acreditava em evolução, vi essa gritaria na rua e me lembrei como a democracia é frágil. Lembrei-me que só 8% dos brasileiros sabem se expressar plenamente e que discursos rasos como balidos de ovelhas são mais facilmente aceitos. Temo pelo o que pode vir dessa onda apolítica, na qual se vê um espetáculo de mocinhosXvilões, um debate simplista que gera palco propício para seres caricatos ultraconservadores.
    Abraço e obrigada pelo texto.

  13. Hoje vi uma postagem de “amigo” no Facebook, que achei bárbara. Um formato muito pedagógico para o “povo” interessado exclusivamente em Big Brother, Redes Sociais e Novelas.
    A corrupção está inserida no sistema brasileiro… nos três poderes. Quem sairá fortalecido de tudo isso, e, fica bem evidente, estão se “matando” entre eles, pelo grande prêmio: o poder. O interesse é só mudar a facção que domina, e não o sistema em si. O sistema faliu, tem que começar de zero, tirar um e colocar o outro dos que já estão lá, é trocar 6 por Meia Duzia.

  14. Grata pela análise lúcida do momento politico atual. Estamos em transição e continuo alimentando a fé em dias melhores. Precisamos atravessar o deserto e pessoas comprometidas com o humanismo andam carinhosamente, conscientemente e respeitosamente no caminho de areias quentes, sem em momento algum queimar os pés. Maravilhoso texto! Não estamos sós.

  15. Não está sozinho em seus questionamentos… menos ainda na compreensão de que as ações parciais q assistimos, comprometem ao fim e ao cabo, a Democracia. Faria bem à turba pensar sobre as razões de tudo isso… mas se divorciaram do pensamento lógico e agora, só selvageria. ..

  16. Que bom ler sua nota, penso e sinto o mesmo. Também sou de esquerda, sou brasileira e vivo em Buenos Aires ha muito tempo. Atualmente estamos com um governo neoliberal (Mauricio Macri), que em sua campanha disse que não ia haver devaluação, não ia haver reajuste (mentiu, obviamente) e em poucos menos de 4 meses já destruiu coisas muito importantes para os argentinos… endividou o país para pagar os fundos abutres, a inflação subiu muito, o dólar chegou a $15 pesos… despediu centos de trabalhadores públicos (alguns simplesmente porque nos seus muros de Facebook apoiavam o governo anterior, ou seja, perseguição política)… É assim, infelizmente este governo neoliberal está no poder porque a maioria não foi capaz de ver com claridade o que lhe esperava ao elegir este sistema de governo onde o mercado faz e desfaz ao seu “bel-prazer” não importando quantas pessoas são destruidas ou melhor, empobrecidas, com suas regras.

    A América Latina unida será forte, separada servirá a interesses de los abutres.

    Caro Pio, o senhor não está sozinho.

  17. Dr. Cristiano, tenho o senhor como uma pessoa do Bem.

    E hoje descobri que sou esquerda, pois até agora pouco me considerava um cara de direita, pois eu também sou do Bem e também luto pela redução das desigualdades sociais, por saúde e educação para todos, pela defesa do meio ambiente, pela igualdade de gêneros, por políticas de inclusão, contra a brutal concentração de renda, nas maãso de quem não merece ou não fez por merecer.

    Não quero que o senhor se sinta só.

    Venha para as ruas, junto conosco e vamos começar a tomar alguma atitude contra toda a roubalheira, que se instalou no Brasil.

    Não só contra o PT, contra todos. Hoje a bola da vez é o PT, porque está no poder. Ontem foi o Collor, porque estava no Poder. Amanhã seja quem for que esteja no poder, mas não podemos nos silenciar perante tudo o que está acontecendo.

    Ninguém esta dizendo que é só o PT, até porque envolvidos na lava Jato, tem de todos os partidos.

    O senhor como Juiz, sabe que delação só tem validade se forem comprovadas as delações, caso contrário de nada se beneficiará o delator, e isso é a lei.

    No tocante ao vazamento das interceptações, não houve vazamento, e sim derrubada do sigilo, e entendo isso, pois o PT estava querendo manipular as informações usando justamente este desconhecimento dos fatos envolvendo as investigações.

    Lembro também de artigo que o senhor escreveu dias atrás para um Promotor Publico, onde deixava claro que a interpretação da lei não tem um só lado, pois bem, o que o senhor acha que é uma atirude equivocada do Juiz Moro, tem tribunais que entendem que não.

    Doutor, não me interessa quem vai entrar lá, me interessa em tirar quem está roubado e deixar a mensagem de que se quem entrar lá, der continuidade a roubalheira, saiba que se for pego, vai sair também.

    O que não podemos é ser ovelhas e nos aquietarmos diante dos acontecimentos.

    Não se sinta só, venha para as ruas e vamos lutar por um Brasil melhor, começando por nós mesmos.

    Dizer que não está satisfeito e não fazer nada, é conversa de botequim.

    Só pra esclarece, também nunca disse que não existem coisas boas no governo, mas isto não é justificativa para não tira-los de lá. Se isso valesse, não teria porque prender traficantes, pois eles ajudam a sua comunidade.

    Não me interessa se de esquerda ou de direita, do bem ou do mal, ambientalista ou não. Roubou, foi imoral com o dinheiro publico, tá fora.

    Quem vai entrar é um problema que vamos ter que resolver depois. Se quisermos resolver tudo de uma vez, não resolveremos nada.

    Me queira bem que não custa nada. ;)

    1. Excelente Paulo. Falou tudo o que eu pensaria em falar. Aqueles petistas que hoje chamam de golpe as investigações e o processo de impeachment, são os mesmos que foram para a rua pedir a saída de Collor, cujo esquema de corrupção vira coisa de criança ante o esquema montado pelo PT.
      Quanta demagogia. A lavagem cerebral engendrada pelo PT foi forte.
      A luta do povo hoje, seja ele de classe baixa, média ou alta é pelo fim da corrupção e da impunidade, e vale sim bater panela para protestar.

  18. Pergunto ao Sr. Juiz

    Seguindo os discursos Petistas mostrarei ao Senhor, em forma de analogia, o porque que só batem panela contra o atual governo, vejamos:
    Digamos, um mini mercado chamado Brasil, em que o dono do mercado seja a Polícia federal.
    O dono do mercadinho está de olho em um sujeito suspeito e acaba por fraga-lo roubando mercadorias no momento presente(PT).
    O que faz o dono do mercadinho?
    A- Se preocupa com quem o roubou na semana passada
    B- Busca prender o ladrão que está na sua frente com as calças cheias de furtos
    C- Prende o ladrão atual e após ter feito isso toma medidas para prender o ladrão da semana passada
    D- Sou Petista, dane-se
    E- NRA

    Caro juíz, estamos fartos de qualquer tipo de roubalheira venha ela de onde vier. Não sou nenhum santo, quando tinha 15 anos de idade roubei umas canetas do supermercado e acabei por devolve-las, o crime não compensa, e fazer qualquer tipo de movimento no sentido de abrandar a imagem destes ladrões não me parece digno de qualquer brasileiro

  19. Realmente um lenitivo ler seu texto………Há dias escuto tantas asneiras vindas de pessoas que os governos de esquerda só fizeram o bem………pasmado pela sustentação política e partidária da Globo……………mergulhado em um mar de amarguras pessoais que infladas pela atual situação são canalizadas contra este governo em prol de um terceiro turno das a eleições presidenciais, onde os derrotados em pleito justo clamam por vingança……..enfim leio alguma coisa com um mínimo de maturidade……Obrigado

  20. Sugiro a todos que repensem as razões deste sentimento de solidão. Assim como todo processo terapêutico, vai exigir muito desprendimento. Vai uma dica: democracia plena não se coaduna com altos níveis de corrupção. E lembrem-se das razões que levaram Maquiavel a recomendar a politicos contemporâneos para que fizessem o mal em uma única dose, e o bem aos poucos. O Povo é sim muito seletivo. Valoriza e prioriza a solução dos problemas mais imediatos.

  21. “Para mim, hoje, no Brasil e no mundo, ser de esquerda é lutar pela redução das desigualdades sociais, por saúde e educação para todos, pela defesa do meio ambiente, pela igualdade de gêneros, por políticas de inclusão, contra a brutal concentração de renda.”, respeitosamente citando V.Excelência.
    Esta visão errônea e estereotipada do que seja NÃO ser de esquerda é que tem, na minha singela visão, levado a esse ambiente “fla-flu”. Honestamente não me considero de esquerda, e tenho nojo do que se convencionou chamar de direita. Nem por isso deixo de compartilhar anseios de igualdade, humanidade e fraternidade. Considero ultrapassado o discurso que coloca o Estado em contraposição ao setor privado. Engels e Marx viveram no século XIX e nem sei onde estão sepultados.

  22. Nunca vi tanta besteira junta. Lutei contra a ditadura militar, fui preso, mas o PT é uma quadrilha, tem que deixar o poder. O que precisamos hoje é uma guerra civil, esquerda contra direita. Eu fico com a direita, hoje que consigo ver melhor.

  23. Me da pena… Uma pessoa de escrita tão clara não conseguir enxergar o que o PT fez e faz, ou querer, como todos os que defendem o PT, que prendam os outros antes de prender os do PT. A situação dos que se manifestam contra, é muito clara. Prendam os que estão nos holofotes, os que MAIS roubam atualmente, depois prendam os que já roubaram. Nós, POVO, sem partido, queremos PRISÃO para a quadrilha principal, depois para as secundárias… A busca por nomenclaturas de ser destro ou canhoto é uma besteira, que o povo que está na RUA não quer saber. Fique com sua solidão, compartilhe a mesma sombra de Lula e Dilma e continue MÍOPE sem enxergar a verdade óbvia.

  24. A disc ussão entre os que estão comentando está muito rica.
    Meu posicionamento é um pouco objetivo. Lembro muito bem das promessas de campanha da época do Lula. E acompanho especialmente os resultados da educação. Considerando o tempo de governo do PT, já deveríamos ter alcançado índices muito melhores e formado praticamente uma geração inteira, com a qualidade de educação prometida. Cadê? Os avanços foram muito tímidos. Continuamos formando analfabetos funcionais que se quer conseguem enxergar qualquer tipo de cenário político seja de esquerda ou de direita.
    TAmbém acredito que houve vários avanços sociais. Não que não sejam importantes, mas falta muito, mas muito mesmo para que esses programas populistas consigam dar a estas pessoas mais do que depender dos mesmo para viver. Educação e saúde, minimamente para iniciar um processo de longo prazo de conquista de autonomia e cidadania. Por enquanto os programas são utilizados para manobra nas eleições. é preciso avançar, mas será que isso que o PT quer? Melhor mesmo [e permanecer no poder, fomentar a rede de corrupção e manter o povo bem ignorante e dependente das migalhas que os programas oferecem. Este povo calejado merece mais do que migalhas. Porém não me parece que os atuais governantes querem dar mais do que migalhas….Prefiro que saiam. Afinal as consequências de um impeachment não são tão lineares, muita coisa pode acontecer….

  25. Belo texto, mas você não está só..
    Não se iluda com o estardalhaço; quem precisa de buzinas e vuvuzelas não consegue expressar verbalmente o que sente .
    Falta pensar.

  26. Agradeço suas palavras lúcidas, desapaixonadas e tão infelizmente verdadeiras… É muito difícil remar contra esta força gigantesca que nos assola, força maniqueísta e sem a menor preocupação com o povo, assim como sinto grande preocupação com nosso futuro e muitas vezes me parece estar assistindo um filme antigo, com mesma direção, os mesmos personagens principais. Onde isso nos levará?

  27. Bom texto mas deve ser a mesma solidão que tenho ao comentar negativamente aqui já que vejo só comentários a favor… sendo esquerda ou direita precisamos atentar aos fatos, não lembro do Collor ter tanto tempo como estou vendo o Lula e a Dilma ter, as provas estão ai e pouco importa se é do partido A ou B, o povo cansou.
    Falar de elite é fácil, veja o patrimônio do Lula e me diga se ele não é elite… eu não consigo um sítio emprestado para passar os finais de semana. Acredito que o governo tem que cair, o PSDB tem que cair, o PMDP oportunista tem que cair, que precisamos usar esse momento para uma grande reforma política.

    Diminuir os partidos e eleitos para diminuir os interesses e jogos políticos, pode ter certeza que o povo não quer a cabela só da Dilma, Lula e o PT, queremos mudar o Brasil mudando o cenário político.
    Abraço

    1. Pois é. As reformas citadas no excelente texto, onde identifico muitos pontos de concordância, me remetem a 1964 quando o governo que as propunha foi derrubado por uma conjugação de forças semelhante a esta que aí está tentando derrubar o governo petista. No caso atual, as forças armadas foram substituídas por um juiz de 1ª instância que usa métodos inusitados de trabalho que já lhe causaram certas dificuldades com o CNJ. Usando o raciocínio lógico, penso que se o juiz tivesse uma prova contra Lula e Dilma não precisaria ter gasto dois anos correndo atrás de triplex e sítios que não pertencem ao LULA. Não precisaria ter cometido a ilegalidade do dia quatro ou a suspensão do sigilo com a consequente liberação de conversa da Presidenta, fato que configura crime contra a segurança nacional. O certo é que ninguém está acima da Lei, inclusive os juízes, que pela função que exercem estão subordinados a código de ética e tem deveres elementares de sobriedade e discrição a cumprir .Não deveria participar de reuniões políticas ou receber prêmios de empresa que poderá vir a ter que julgar.
      Outro ponto levantado é a questão da quantidade de partidos, que também considero exagerada. Me vem a lembrança que em determinado momento foi aprovada Lei estabelecendo as chamadas clausulas de barreira, onde os partidos que não atingissem as condições exigidas pela Lei, após dez anos para se adaptar seriam extintos. Dez anos depois alguém questionou a constitucionalidade da Lei e ela não entrou em vigor.
      Outra questão, mais fácil de ser compreendida é essa de ter um lugar até então tranquilo, onde pudesse descansar, refugiando-se de toda a pressão que envolve um ex presidente cuja admiração e respeito atinge boa parte do mundo. Uma liderança como o LULA tem uma rede de proteção enorme ao seu redor, Composta por centenas ,talvez milhares de pessoas de vários períodos de sua vida, que cuidam do seu bem estar. É humano e natural que um amigo do período sindical de mais de 35 anos, cujos filhos cresceram juntos , Comprasse o sítio para lhe proporcionar o descanso em alguns fins de semana. Essa tipo de solidariedade é muito comum entre as classes menos favorecidas. Quanto ao patrimônio , ele abriu seus documentos em função dessa história do triplex, e o que está ali é compatível com o homem que foi presidente duas vezes e cujas palestras tem alto valor no mercado internacional em razão dos seus m. Discordo de que um governo que foi eleito democraticamente pela maioria do povo, tenha que cair sem que haja um motivo concreto. Neste caso não existe nada que justifique, senão insinuações e uma forçação de barra em cima coisas bizarras como jamais se viu.

  28. Gostei do texto de Pio. Identifico-me com sua visão da situação. Eu acrescentaria o seguinte. Ele escreveu que “a corrupção é endêmica”. A mediocridade também é endêmica. Eu vejo essas duas endemias como uma doença do grupo social; não se trata de uma bactéria ou de um vírus, mas de um elemento do sistema que influi para que as coisas evoluam no sentido de aumentar a corrupção e replicar a mediocridade. E o que dificulta o progresso de nossa sociedade para um estado melhor do que o atual, é a mediocridade das pessoas em cujas mãos estão as decisões que poderiam mudar o estado de coisas.
    Numa sociedade que não é dominada por gente medíocre, a corrupção é mais facilmente
    combatida. Os países escandinavos são um exemplo.

  29. Eu confesso que também me sinto só às vezes, mas por uma razão mais singela: o autor reclama do maniqueísmo mas escolheu um lado (nem que seja o “menos ruim” deles). Eu não participo das manifestações, nem a favor, nem contra o impeachment, por algumas razões:

    – Concordo que a investigação dos crimes da Petrobras tem ferido o Estado Democrático de Direito. Particularmente, a divulgação dos grampos pelo Juiz Sérgio Moro é indefensável, porém típica de um país que nunca deu valor para a privacidade, e em que lamentavelmente muitas pessoas acham que a solução para a criminalidade é a adoção de tribunais sumários. No entanto, se observamos a absurda morosidade da justiça e a farta disponibilidade de medidas protelatórias nos processos, será que dá para condenar a opinião pública assim de forma tão automática?

    – Porém, eu não compro o argumento que as passeatas pró-governo são “em defesa da democracia” e que “54 milhões de votos serão desrespeitados” caso a presidente Dilma saia do poder. O próprio autor do texto diz que precisamos de uma reforma política – ora, um dos grandes defeitos do modelo brasileiro é que não há uma forma adequada de se retirar um chefe de governo antes do prazo, caso ele não esteja “performando”. Sem contar que muitos dos que votaram na Dilma em 2014 o fizeram com base em uma campanha eleitoral mentirosa, que escondeu descaradamente a péssima situação das contas públicas (e, por tabela, da economia) naquele momento.

    – Longe de mim querer generalizar (pecado cometido com frequência por ambos os lados do debate), mas muitos dos que defendem a democracia no momento são entusiastas de governos em que ela não existe, como Cuba e Rússia. Eu abomino aqueles, dentre as manifestações, que defendem a volta do regime militar, mas pelo menos nesse ponto eles não são hipócritas.

    – Eu discordo do autor quando ele diz que um governo de direita não seria vítima de “panelaços”. Então o Collor era de esquerda? Talvez ele esteja se referindo aos desmandos do governo de SP, mas historicamente parece que o brasileiro dificilmente se comove com a corrupção no nível estadual. De fato, parece que o estado é a esfera que menos interessa à população, sinal do nosso federalismo “tabajara”.

    No fundo os casos Collor e Dilma são muito parecidos: dois governos que combinaram políticas econômicas desastrosas com incapacidade na articulação política. A corrupção é o “espantalho” usado – pelos grupos alijados do poder – para se derrubar os presidentes ruins. Se tivéssemos um sistema parlamentarista, pelo menos cairia o governo inteiro (congresso incluído), o que daria uma chance da população repensar suas escolhas como um todo. No modelo atual, a mera saída da presidente é uma loteria – ninguém sabe o que vai acontecer depois.

    1. Lendo seu comentário concordo com alguns pontos e discordo de outros . Concordo que a morosidade das decisões da justiça colabora para cristalizar a sensação de impunidade existente na população. Entretanto, acho que isso é assim em função do nosso arcabouço jurídico ter sido elaborado pelas classes dominantes, e estas tiveram o cuidado de criar essas instâncias de procrastinação e tantas chicanas e firulas, que aqueles que tem poder e bons advogados jamais serão condenados. O tal decurso de prazo salva a maioria do desprazer de uma condenação.
      Desde 64 sou a favor das reformas. Se eram necessárias lá atrás, agora nem se fala. A questão é como fazê-las com esses Congressos cuja maioria é eleita pelo poder dos lobby, pelo poder da grana! Para começar a reforma política/partidária a primeira providência a ser tomada seria cortar essa raiz da corrupção . Assistimos recentemente as ações do Gilmar Mendes e do Cunha com as suas “pedaladas regimentais” tentando impedir. Se não começarmos a usar a democracia direta através de referendos e plebiscito para resolver essas questões fundamentais não faremos reforma alguma. E enquanto não se faz, o que existe tem que ser respeitado. E nessa realidade, eu votei na Dilma e considero a sua destituição através de um golpe um desrespeito ao meu voto. E tenho a convicção de que muitos como eu votaria novamente por diversas razões. A grande massa de despossuídos votaria mais pelos efeitos objetivos e concretos que as políticas inclusivas tiveram sobre a qualidade de vida de suas famílias, do que pela propaganda eleitoral. Até por que a contra propaganda adversária usou a velha e surrada estratégia de gritar “pega ladrão” manjada, por ser de fácil compreensão pelas camadas populares e por contarem com o apoio da mídia conservadora.
      Na verdade, contradizendo a sua afirmação, quem evitou o debate econômico foi a oposição, exatamente por que a comparação entre os indicadores do Governo social democrata são muito melhores do que os do período neoliberal. Não quiseram nunca a discussão econômica. O que haviam eram previsões pessimista na mídia diariamente, através de economistas da TV ou de bancos. Assim, mesmo considerando a grave crise mundial, essa mesma que a imprensa escondia, e não contextualizava para público,passando a ideia que havia uma crise brasileira em função de um péssimo governo! A economia estava em equilíbrio assim como as contas durante campanha. Começaram a piorar quando problemas começaram a atingir a China e outros países que estavam nessa aventura neoliberal .E então, o governo passa a ter que enfrentar o Cunha instalando uma crise política na Câmara e o Moro com o ministério Público, que a pretexto de combater a corrupção ( do PT e do governo) causam prejuízos econômicos hoje avaliados em 2 % do PIB.
      Não sou economista. Paul Krugman e Joseph Stiglitz são. Ambos com grande credibilidade e premiados com o Nobel. E ambos como eu, veem o brasil com bons fundamentos econômicos e boas perspectivas no horizonte. Como eles não acho a política econômica desastrosa e vejo diferenças abissais entre as políticas de Collor e Dilma. Também acho que parlamentarismo possa ser interessante para o país. O lamentável é que as duas vezes que foi proposto foi tipo um tampão para resolver um impasse ou uma tentativa de evitar que LULA chegasse ao poder depois de um governo fraco de FHC.
      Caro Marcos, concordando ou discordando valeu o exercício do debate a partir do texto do Pio Giovani, muito sereno e bem fundamentado. Penso que debates nesse nível interessam a todos que querem um país melhor para seus filhos e netos. A aqui incluo a minha bisnetinha Cecília que aos nove meses não tem ideia do que vem pela frente!
      Grande abraço.

      1. Caro Márcio Rezende, muito boa a sua análise. Concordo também que a discussão nesse nível só engrandece o debate. Parabéns a ambos Marcio e Marcos! Afinal amamos e preocupamos com nosso país! Podemos encontrar saídas civilizadas. Essa guerra entre irmãos interessa a quem? Quebrar o Brasil e é isso que está acontecendo interessa a quem? Por que essa urgência em tirar a presidente? O sistema democrático nos dá os meios para isso. O voto. Esperar dois anos é pouco tempo levando-se em conta que assim estaremos preservando conquistas tão caras para o nosso povo que é o ESTADO DE DIREITO, A SEGURANÇA JURÍDICA entre outras. Talvez a solidão a que se referiu tão bem o juiz venha exatamente dessa consciência profunda do jogo sujo que envolve o poder e as forças que o manipulam. O povo só interessa como massa de manobra para legitimar esses interesses. Não é atoa que não há um só lar sem televisão. Manipulam e faz o povo pensar que estão contribuindo. Não percebem que estão justamente fazendo o jogo contrário a seus interesse. Ter essa consciência nos deixa solitários. Nos demos as mãos!!!

  30. Prezados, agradeço pelos comentários e peço desculpas por não poder responder. Fico feliz por perceber que de algum modo consegui verbalizar um desconforto que é compartilhado com mais gente. Aos que discordaram, manifesto meu reconhecimento pelo modo respeitoso como o fizeram: está sendo difícil fazer um discussão civilizada, e sempre é bom ver opiniões divergentes lançadas sem ofensas.

  31. Responda-me, por favor. Em que o PT deu continuidade à ladroeira, e ainda “com profundo escárnio”? Não estou tentando negar o que você disse, mas, como ouço outras pessoas dizerem o mesmo, ou parecido, preciso que alguém me responda, pois não consigo pensar da mesma forma, talvez por não ter conhecimento de fatos que me passaram despercebidos. Agradeço muito se você puder me responder. Estou desesperada e tentando aqui, sozinha, dar um sentido a tudo isso que está acontecendo, ao menos compreender a razão das coisas terem chegado a esse ponto.

  32. Dr. Pio, vejo que sua preocupação não é sem razão, porém estou em um estágio mais avançado que o senhor nesta sua perplexidade com a situação pela qual passa nosso país. Assim como o senhor, sempre fui um militante de esquerda, sempre almejei desde a juventude um país mais igualitário e com justiça social. Filho de um trabalhador servidor público, fui petista desde as origens do partido, e apesar de nunca ter me filiado, militei em todas as lutas as quais a minha outrora bandeira travou. Conheci pessoalmente as antigas lideranças do PT – Tarso, Luciana, Olívio, Raul, Marcos Rolim e tantos outros. Mas o que aconteceu após a tomada de poder por parte do partido foi um contra-senso escabroso: Em vez de unir a sociedade em torno de um projeto, o PT dedicou-se em fazer exatamente o contrário- DIVIDIR E SEGMENTAR A SOCIEDADE – Mulheres contra homens, negros contra brancos, sem-terras contra produtores rurais, homossexuais contra cristãos conservadores (vide kit gay) – enfim, o governo encampou uma desnecessária luta de classes. E o que é pior, estamos em uma situação talvez inédita no mundo – EM NOSSO PAÍS NÃO EXISTE PARTIDOS DE DIREITA. Sim, não temos oposição! Ela não existe desde o antigo partido PFL – e isto já fazem alguns bons anos. O PT é um esqueleto daquilo que foi outrora, sem representatividade, apoiado por sindicalistas pagos com dinheiro público, e pelos auto- intitulados “movimentos sociais”, também sustentados pelo governo petista. A principal bandeira de justiça social e melhores condições aos trabalhadores foi abandonada a muito tempo. Militam quase que exclusivamente para uma seleta “minoria” – gays e lésbicas – justamente aqueles que querem destruir o que mais prezo em minha vida – Deus, Pátria e Família! Querem destruir os valores da família, as religiões cristãs e a classe média (justamente aqueles que mais produzem riqueza ao país). Isto eu jamais vou tolerar. Retiraram meu direito de autodefesa, contrariando um plebiscito onde a população majoritariamente votou contra o estatuto do desarmamento. Afrontaram diversas vezes o Estado Democrático de Direito, dilapidaram o erário e o patrimônio público. Eu era marxista, li toda a obra de Karl Marx. Isto até conhecer Milton Friedmann. Hoje em dia mudei de lado, e me reconheço conservador, e descobri o o real significado desta palavra. “Conservador” é aquele que conserva valores, e que os transmitem à sua descendência, tais como a ética, a moral, religiosidade, caridade e respeito ao próximo. Se for para viver em um mundo idealizado pela esquerda de hoje em dia – Uma sociedade ateísta, pautada por uma ética utilitarista e pela lei de Thelema, desprovida de valores tradicionais e familiares, sem moral e sexualmente depravada, sinceramente – PREFIRO MORRER LUTANDO! Pegarei em armas, se preciso for. Um abraço, e sucesso em sua reflexões!

  33. No veo en todo el artículo referencia alguna a la designación de Lula como Ministro para escapar del proceso judicial, es más, parece que el artículo justificara la corrupción diciendo que los otros no van a ser menos corruptos, de lo que se trata es de que la Presidenta también corrupta realizo una maniobra del gobierno para salvar a Lula de ser juzgado y con eso firmo el certificado de defunción de su gobierno, después de esto solo se pueden esperar tiempos violentos en Brasil, no se puede tomar por idiota a un país tan enorme como Brasil y las consecuencias de estos actos corruptos van a tener un alto costo para toda latinoamerica.

  34. Quantos bajuladores. O texto foi sim bem escrito, retrata a realidade pessoal do autor e de forma alguma anula a experiência pessoal dos demais que discordaram educadamente; estes, foram “apedrejados” por pessoas que, para reforçar o ego e o sentimento de superioridade, atacam os erros de português daqueles que julgam como “mentes inferiores”.

  35. Prezado companheiro…
    Não estás só, em absoluto, tenho plena convicção de que há muita gente com o mesmo pensamento/visão/sentimento que o seu, que ao mesmo tempo é e se declara de esquerda, desejando viver plenamente a democracia, a justiça social , a igualdade de direito , e também se sente marginalizado por isso. Entretanto me parece que apesar de triste, devemos nos manter firmes, pois o que se vê são discursos vazios do tipo : “FORA….”, “INTERVENÇÃO MILITAR JÁ”…meu Deus, que loucura é essa? Que protesto é esse? E cadê as reivindicações pela reforma agrária, pela reforma no judiciário, na política???? E os avanços históricos que conquistamos no governo do PT , devolvemos? Li algo que diz: “a classe dominante tem astúcia, o ódio ela terceiriza” , e é exatamente isso que estamos vivendo, pois a crise em curso é a crise de uma direita que não aceita perder privilégios, que não aceita ver na universidade , sentado (e pensando) ao lado do seu filho , o filho da empregada que conseguiu fazer uma faculdade graças ao PROUNI, que não suporta estar estar na fila do check-in e ouvir a conversa de dois nordestinos ,estar numa br , no seu bom carrão 2.0 e na frente um pálio 1.0 , provavelmente financiado em 48 X…isto é, não suporta saber que a desigualdade está diminuindo e ele não vai mais ser reverenciado …é muita mesquinharia para uma vida tão frágil, tão por um fio. Mas não estás sozinho amigo! Um abraço fraterno e cheio de admiração!

  36. Este atropelar dos fatos, marcado por precipitações juridicamente inconstitucionais, tem por fim único IMPLODIR o processo de limpeza que havia sido instaurado.
    Nem o mais otimista imaginava, em 2014, que a Lava-Jato chegaria onde chegou.
    Mas, por estar chegando perto demais de onde não deve chegar, a solução passa pela precipitação, que culminará com a deposição de alguns culpados, enquanto os demais, que recentemente começaram a aparecer, serão poupados.
    Anotem, e, no futuro, julguem minha opinião.

  37. Tb me acho de esquerda — ou pelo menos o q era a esquerda, antigamente.
    Agora provavelmente virei direita, sei lá, nas classificações de hj.
    Pois se Lula é esquerda, então eu não sei o q sou, pq não sou como ele.
    Quero redução das desigualdades.
    Mas não consigo me conformar com o fato de q os q deveriam promover a igualdade passaram a se conceder luxos inomináveis e incontáveis, E abomináveis, provavelmente.
    Não consigo me conformar com o fato de q a primeira medida de Lula como presidente foi trocar o avião presidencial. Nem com o fato de q o Mantega alterou o cardápio do avião pra incluir caviar e outros requintes q FHC não imaginou incluir na conta para pelo povo. (FHC tb era esquerda, não era? Antes de resolverem q ele é direita….)
    Não consigo me conformar com o fato de q mesmo hj Lula só viaja de jatinho particular — não interessa quem emprestou, mas certamente não foi alguém q vive frugalmente.
    Todos os brasileiros são iguais, mas alguns mais iguais q os outros.
    Lula é um dos mais iguais.
    A nova aristocracia, de nobres tão desocupados qto os de antanho, tão vorazes qto os de antanho.
    Gafanhotos q destroem o q o Brasil tinha, a pretexto de proteger nossas empresas.
    Q sugam tudo o q podem para suas contas na Suíça e continuam posando de igualitários, de justiceiros sociais, apenas pq dão uma pequena parte do roubo para os famintos.

  38. Cada um tem seus pensamentos, idéias e molda por designios de Deus suas convicções com as ferramentas que Deus lhe deu.
    Existem muitos de nós que sem formação academica enxerga mais que nós, e existem muitos que com o canudo na mão não tem discernimento e não enxergam nem em distância curata.
    Alguns com pouquíssimas ferramentas já entenderam o que está acontecendo o que me preocupa é que em em alguns meios estudantís, onde teóricamente a nata deveria ser mais conhecedora dos assuntos, isso é inversamente proporcional.
    Entre nós alguns aprendem e enxergam em uma semana, outros em um ano, outros só na próxima encarnação.
    É fácil entender os acontecimentos atuais, cada um pensa de um jeito e a maioria certa ou errada deve ser respeitada.
    Existem também situações que compram-se consciências, votos e tudo mais dos pobres de informação e ainda usam da brutalidade, arrogância, hempáfia e outras ferramentas esquerdistas.
    O decálogo de Lênin está em prática desde que os atuais governantes tomaram posse.
    Se você vai a um passeio reivindicativo representando o seu país, porque você usa a bandeira vermelha? Nosso símbolo patriótico foi, é e sempre será verde e amarelo.
    Há muita coisa além do jardim. A idade da razão é a idade em que começamos a pensar: Será que o outro é que está certo e eu errado! Quanto mais honesto for nesse auto-julgamento, mais perto da razão se terá chegado. Alguns não cultuam o pensamento, a interpretação dos fatos, a honestidade de pensamentos em prol dos outros, mas outros o tem como referência, há que se ter paciência, todos nós chegaremos ao topo mas cada um tem o seu timing.

  39. O que mais me assusta é o fanatismo generalizado a este partido, PT; que trouxe desesperança sem precedentes ao povo. Chegou com alto galardão de honestidade, mudanças e propulsor das reformas urgentes: política, tributária, penal e implantação da decência na vida pública e seu “mentor” criou o mensalão, petrolão e sabe-se lá quantos “aõs” mais…O povo que está nas ruas diz não a qualquer tipo de corrupção e seu partido político se chama Brasil! Não sofreu lavagem cerebral do proletariado, nem do ávido cacique e sabe que a corrupção não foi criada pelo PT, mas “modernizada” por ele. Queremos todos condenados e presos: Lula, Renan, Cunha, Aécio, FHC, 80% do Senado e 80% do Congresso e quando vimos uma luz no final do túnel fomos à luta, pelo Brasil, não por convicções “a la Venezuela”. Dá medo de tudo, principalmente deste sofisma idólatra ao barbudo demoníaco, que mente, furta dinheiro público, incita a divisão de uma nação e continua tendo seus seguidores, como os de uma seita inescrupulosa e maligna! Vamos começar varrendo essa corja e continuaremos a luta, para exterminar todo o restante da máfia, até que o Brasil seja um país digno para todos, mesmo para as viúvas de um partido que iludiu milhões e se tornou igualmente nefasto para a sociedade como um todo.

  40. Dr. Pio, suas palavras resumem, exatamente o momento político atual.
    Entendo, que todo radicalismo, seja ele, de direita, ou de esquerda, é nocivo à sociedade.
    Não é à toa que o país está paralisado, porém, não quero ver o futuro, repetir o passado.
    No meu entender, a Lava-Jato, corre o sério risco de perder sua credibilidade e/ou legitimidade, a partir dos atos ilegais e, métodos contraditórios praticados por seu representante legal, o qual fere, além da nossa Constituição Federal, a inteligência daqueles que pensam diferente. Aqui, refiro-me a essa exposição midiatica exacerbada, pois, sabe-se do poder da mídia como formadora de opinião, transformando todos agora em PTistas X Anti Petistas, com o intuito de tumultuar o estado democrático de direito, criando o ódio partidário, vinganças políticas, pobres X ricos, e por aí afora…

  41. Excelente texto, totalmente de acordo com minha visão. Às vezes fico imaginando como a imprensa pode ter convencido a classe média brasileira que NUNCA SE ROUBOU TANTO NESSE PAÍS. Será que eles tem a contabilidade do roubo brasileiro para ter chegado a essa conclusão. O fato, inquestionável, é que a partir de 2003, a legislação, o esforço de investigação, a indicação do Procurador da República pelos próprios promotores, a maior liberdade para investigações pela Polícia Federal e a vontade política, contribuíram para iniciarmos um efetivo combate à corrupção. É óbvio que apareceram – e foram punidos – muito mais casos do que no passado; mas será que alguém tem informações sobra os desvios do passado que não foram investigados e muito menos punidos ?

  42. Prezado Pio,

                       ainda surpreso por encontrar um juiz externando suas opiniões publicamente,(quando um juiz, aquele que julga, deve ser imparcial e limitar-se a aplicar a lei, interpretando-a somente quando não seja clara, ou seja, limitando-se a falar nos autos), tomo a liberdade de responder alguns de seus questionamentos.

                      A questão, caro Pio, não é dizer o que é, mas como é.

    Podemos lutar contra a redução das desigualdades sociais distribuindo Bolsas- Família, transformando cidadãos em mendigos, ou podemos reduzir essa desigualdade educando os mais pobres a terem menos filhos, para que os recursos, quer da família, quer do Estado, possam se concentrar em criar um cidadão mais culto, mais preparado profissionalmente.

                           Saúde e educação para todos, mas como? Consumindo os recursos, sempre escassos, em gastos hospitalares que seriam evitados com saneamento básico ou simplesmente subtraindo mais recursos dos contribuintes para sustentar uma rede de ineficiência pública e corrupção público-privada?

                               Podemos criar cotas que favorecem a negros, pelo simples fato de o serem, transformando assim aqueles que realmente tinham o direito de ocupar uma vaga na Universidade em desfavorecidos, ou podemos incentivar a criação de escolas particulares onde a busca da excelência será constante, posto que as melhores contarão com subvenção estatal, evitando assim o custo de construção e manutenção de escolas públicas, bem de como todos os funcionários. E onde os menos favorecidos serão bolsistas.

                               Desigualdade existe desde que o homem se organizou em grupo. Essa desigualdade chama-se diferença. Por que os que crêem em igualdade nunca olharam em volta em uma sala de espera.

                             A desigualdade pode ser de oportunidades, mas pensemos um pouco. Quantas pessoas com idênticas oportunidades chegaram a vidas distintas? Quantos com menores recursos financeiros obtiveram maior êxito econômico que outros nascidos em berços mais favorecidos?

                                A crença que o Estado será capaz de administrar meu dinheiro com maior sabedoria que eu não é apenas um insulto, é uma estultícia.

                                   Essa ideia nasce do desejo de auxiliar os mais débeis, porém, desconfio, seja também uma maneira de amealhar riqueza indevida por parte de pessoas pouco dispostas ao esforço e a competitividade.

                                  Quando ouço falar muito em Direitos, caro Pio, lembro-me que há muito não ouço ninguém falar em Deveres. Ou em Responsabilidade.

                                   Uma sociedade que aceita ter tantos Direitos e tão poucos Deveres, é uma sociedade pronta para acreditar no mito do Gratuito, de que nada custa nada e que o esforço é desnecessário, bastando a Necessidade para obter o que eu preciso, regalado pelos que mais possuem, sem importar quanto esforço isso os custou, de quanto tiveram que abdicar.                 
                                 
                              Vazamentos devem ser tapados. Mas o levantamento do sigilo em um processo, tornando pública a informação aí contida, é a oportunidade de que o mais potente desinfetante, a luz do Sol, cumpra seu papel.

                                Sabe, caro Pio, eu me assusto quando vejo oficiais de Justiça que pedem “uma cerveja” para citarem alguém mais rápido, quando vejo escreventes que nunca estão em seus postos, com juízes que permitem isso…

                                     Com vendas de sentenças, nepotismos cruzados entre Tribunais e Assembléias Legislativas, maltrato de juízes contra advogados, aposentadorias e salários nababescos, penduricalhos vergonhosos…

                                    Tudo isso, com o dinheiro que o Estado subtrai ao cidadão, para que o serviço prestado, seja no Legislativo, no Executivo ou no Judiciário, seja penoso, por não dizer rídiculo.

                                 Valhacouto de pessoas capazes tornadas ociosas ou inúteis por força da impunidade que somente o que se sabe protegido pela vitaliciedade do cargo pode ter.

                                        Concordo em que, nesse momento a polarização atingiu niveís de paroxismo. E que não deve ser assim. Vivemos hoje o ocaso desses partidos que surgiram como reação a indigna e desmoralizante Ditadura que sofreu nosso país por longos 21 anos.

                                             Mas como uma bola lançada contra uma parede, os que surgiram da luta contra a covardia de antes gerou, além do asqueroso ar de vestais incorruptíveis, a covardia do agora, com ameaças contra o Patrimônio do povo brasileiro e contra o próprio povo, com a conclamação das foices na rua….

                                            Sim , o Brasil é carente de novas lideranças políticas. Principalmente porque muitas delas foram ceifadas no caminho, e outras, simplesmente não querem participar da vida político-representativa da Nação, posto que o ar mefítico que nela se respira supera o dos currais de Aúgias…

                           Talvez seu maior equívoco, prezado Pio, seja o de crer que ninguém se interessa pelo porvir. No silêncio, longe dos holofotes e das telas de Tv, pessoas sérias, comprometidas com a esperança de Justiça para todos, independente da sua hipossuficiência, estão trabalhando em teses acadêmicas, em livros e ensaios. Estão conversando entre si e com outra pessoas menos formadas, mas igualmete preocupadas pelo destino de um país entregue à pessoas que não teriam condições de administrar um mero condomínio, que dirá um pais continental;

                               O PT não é somente vítima desse ódio a que se refere V.Exa. pelo triste prontuário de desvios de dinheiro público, corrupção e enganos.

                             Talvez a atitude de maior gravidade que teve o PT foi a de propagar o desdém pelo estudo, pelo esforço, a velhacaria como forma de se alcançar postos de altura.

                              É a revolta de um povo que viu seu motivo de orgulho ser transformado em escárnio, chacota, desprezo. De ver seus filhos tendo como exemplo uma camarilha de incultos, iletrados e soezes como representantes do povo.

                                 Eles cobrarão no futuro aos seus pais, como permitiram que isso ocorresse. 

                                  Pense, o que dirá o filho de alguém cultivado, letrado, esforçado, ao saber que ele defendia uma caterva de malfeitores incultos e portadores da arrogância que somente a estupidez mais profunda pode proporcionar.

                                    Evidentemente, para terminar, o PSDB, o PMDB e outros não serão a solução. Mas tampouco partidos de nova criação o serão.

                                   Vivemos um momento histórico, não apenas no Brasil, em que o velho já morreu, mas o novo ainda não terminou de nascer.

                                      Temos de arrancar as velhas ervas daninhas para podermos plantar a nova safra. O sistema está exaurido, as ideias dos séculos XIX e XX, com todo o seu cortejo de vítimas mortais, já não servem para o novo século.

                                        Há exatos 100 anos, o Mundo conhecia a convulsão que chamou-se I Guerra Mundial. Hoje estamos vivendo novo período de convulsão, mas dessa vez, mais que militar, política e econômica. 

                                          Evoluímos algo, não neguemos, já não necessitamos a barbárie das armas, argumento de energúmenos que são incapazes de argumentar ou elocubrar uma solução mais inteligente.

                                           Esqueça, prezado Pio, isso de ser de esquerda, ou de direita. Convido a que prove a liberdade de estar em todos os lados, ou em lado nenhum. Na busca dos resultados mais eficientes, sem depender de como.

                                             Fazendo o necessário, buscando o bem- estar de todos por sobre o egoísmo empobrecedor.

                                           Mas nunca em um regime em que o Estado seja maior que o cidadão. É o cidadão quem deve ser maior, mais importante que o Estado. A autoridade a serviço da Ordem, não a serviço do próprio Estado e suas sinecuras e apanigudos.

                                              Não se preocupe se vivermos momentos sem líderes, a liderança mais natural é justamente aquela que surge do vazio, nequaquam vacuum, é a ordem natural do Universo.
     
                                                Pensemos em uma sociedade baseada na ética do esforço pessoal, na busca do orgulho da excelência, na disciplina como promotora do êxito.

                                                Peço que me perdoe, estimado Pio, pelo açodamento da resposta e pela superficialidade da análise, mas não cri ser esse o foro adequado para maiores elocubrações.

                                                   Não se sinta tão só, talvez seja apenas cansaço, indigestão de radicalismos.

  43. Dr. Pio, um ótimo texto, mas não me arvoro a concordar ou discordar de sua opinião, neste momento, porque é, exatamente, isso: opinião, resultado de SUA autorreflexão. É bom ler textos de cunho pessoal bem escritos, porque sempre aprende-se algo, mesmo que seja: “não, não penso exatamente assim”, ou “discordo completamente”, ou “concordo”, porquanto, para chegar a tais conclusões, é preciso avaliar e revolver os próprios conceitos para chegar à conclusão de como se pensa. Só queria fazer uma contribuição, exprimindo também uma OPINIÃO, de ordem geral: para reflexões pessoais, no campo filosófico, tenho que não deve haver “lata de lixo”, ou “danações”. Explico com um exemplo: a frase “penso, logo existo” está lançada incompleta e, como acontece com muitas outras “máximas”, costuma ser usada fora (aquém ou além) do contexto original, pois, no caso, para concluir que “pensa”, Descartes assentara, inicialmente, o “dubito” (“dubito, ergo cogito, ergo sum”, na tradução do francês para o latim, do original: “porque eu duvido, eu penso; porque eu penso, eu existo” – Discurso do Método). É condição do existir a capacidade de duvidar, ou seja, de não concordar, o que, “per se”, não me autoriza invalidar ou relegar aos infernos opiniões diferentes das minhas. Duvidar é preciso, pois todo o duvidar é “ousar” (sem este último, ainda viveríamos nas árvores). Em síntese, não vejo (EU) nesse tipo de reflexão qualquer justificativa válida para acirrar ânimos, entendendo muito mais saudável e produtivo um debate restrito ao âmbito das ideias, sem deixar-se levar pelo afã que provoca o desvio que “personalizou” algumas das intervenções que li. A opinião que entesta a página é sua; assim, obrigado por compartilhar! Anelo, particularmente, que não a tenha como “res judicata”, mas como “interlocutória”. Saudações!

  44. Prezado Pio,

    Para aqueles que não entenderam sua reflexão, deixou-lhes a seguinte reflexão:
    “Toda unanimidade é burra. Quem pensa com a unanimidade não precisa pensar.” ( Nelson Rodrigues).

    Na direita não há poesia, muito menos reflexão.

  45. LEANDRO GONÇALVES MARQUES, não apague seu texto é um alívio ler algo parecido que esclarece tão simplesmente o que é maniqueísmo de um modo real.
    Sua visão é inspiradora!

  46. Caro Pio, com certeza não estamos só.
    Quando li o seu texto me identifiquei.
    E também li todos os comentários deixados na sua página, e percebi que a luta não é por uma causa justa e muito menos social, mas estão mobilizados por interesses próprios, os que se dizem de direita estão preocupados apenas com a “sua” empresa, com administração do “seu” dinheiro, e vou além querem instituir um modelo de família e dizer quantos filhos se deve ter, e o discurso não muda. Isso realmente me preocupa porque se julgam entendidos e esclarecidos…
    “Egoísmo não é viver à nossa maneira, mas desejar que os outros vivam como nós queremos.”
    Oscar Wilde

  47. Dr, parabéns pelo seu texo.
    Concordo muito com a maioria das coisas que o Sr escreveu.
    cito:
    “Não defendo coisas que no meu tempo histórico me parecem irrealizáveis. Para mim, hoje, no Brasil e no mundo, ser de esquerda é lutar pela redução das desigualdades sociais, por saúde e educação para todos, pela defesa do meio ambiente, pela igualdade de gêneros, por políticas de inclusão, contra a brutal concentração de renda”
    Na veia, 100% de concordância e mais
    “há muito tempo penso na necessidade de criar um diálogo entre os representantes das maiores forças políticas, em busca de um pacto que envolva a governabilidade e o compromisso de construção de uma nova institucionalidade. E não vejo ninguém com a mesma representatividade de Lula e FHC para iniciar qualquer diálogo. O Brasil não tem outras lideranças democráticas, e o debate que parta desses dois pode indicar o caminho para reafirmar a democracia, com outras bases, e livre dos messianismos autoritários.
    porém, existe, com este estado de Animosidade que permeia o Estado como um todo, alguma maneira de se criar um Estado nem tanto ao céu, nem tanto à terra? Explico: que nao seja um Estado Tao Intervencionista, nem tão populista que fica metendo o bedelho em tudo, que tudo queira regulamentar, e que Nao seja um Estado tão liberal onde 5% da população detenha 95%da renda? Como criar um modelo que atenda a todos, de maneira Plena, ou que seja suficientemente compensatório a ponto de gerar uma certa satisfação? Eu, sinceramente, com esses personagens que permeiam nosso cenário político não vejo essa possibilidade. Como fazer para alguns abrirem mão de alguma coisa em detrimento de um todo melhor?
    -Que instrumentos utilizar para que o Estado seja ágil onde necessita ser?
    -Como fazer com que os políticos não tenha acesso a “super-salários” em detrimento de um salário efetivamente Mínimo da maioria do povo?
    -Como fazer para termos eleições Realmente confiáveis e apurações que não deixem margem de dúvidas sobre seu escrutineo?
    -Existe Realmente a necessidade do Estado ser Proprietário/controlador de Empresas onde permeiam a corrupção e salários nababescos para suas diretorias?
    Sei que são muitos questionamento, mas eu, hoje no atual cenário não vejo uma saída de curto prazo, sem antes acabar com essa belicosidade e animosidade imperante de lado a lado.
    no meio político hoje o que campeia é a desconfiança, bem assim como nas instituições que deveriam ser, ou ter o máximo de respeito por todos, mas não tem. quando decisões da suprema corte sao afrontadas e seus magistrados detratados por ambos os lados é que realmente a coisa vai mal.

  48. Quero cumprimentá-lo pelo texto que nos deixou como testemunho da sua opinião sobre o que se está a passar.
    Gostaria de fazer o seguinte comentário relativamente a quem vem a seguir se o governo cair…
    Eu penso que o medo do que vem por aí não nos deve deixar paralisados… Eu sempre defendi ideias de esquerda, mas manter um governo que não tem condições morais para governar não é solução e penso que a nova geração de Brasileiros tem capacidade para fazer muito melhor!!
    Que venha algum desconhecido e que governe o Brasil de forma a dar ao povo brasileiro a dignidade e prosperidade que merece!

  49. Caro Pio. Apesar de ser da oposição, rssss, faço dos seus questionamentos quanto ao quadro atual os meus. Pois independente de conceitos econômico políticos, estamos novamente em um impasse. Um momento Collor reply, só que em outro partido e talvez com proporções maiores. Devesse a globalização da informação.

    Apesar de não achar que os meios justificam os fins e sem pensar na possibilidade de uma intenção secundaria, me atrevo a dizer que no trâmite do direito há muitas brechas para aplicação do sigilo ou não de alguma informação.
    Vide várias jurisprudências neste sentido.
    Porém sem entrar na legilibilidade do fato, acha realmente grave termos ciência de informações que realmente nos canbem? Em se tratando de algo que deveria ser totalmente público, se tratando do tipo de julgamento e de pessoas que devem satisfação ao povo?
    E me pergunto mais uma coisa?
    Será que isto não mostrou a todos que não envolve somente o PT, mas que é algo intrínseco no sistema, como colocado por você tão bem.
    Então apesar de “talvez” ter sido algo contraprudente talvez tenha nos gerado mais bem do que mal.
    Pois hoje vejo amigos meus se questionando sobre preconceitos estabelecidos em bases tão frágeis como apoio ao partido, e não ao conceito, se verem no fundo algemados aos apoios políticos de seus elegíveis.
    No que se mostrou claro através das gravações que extremamente são opositores, mas na alcunha de suas casas nada mais que grandes amigos e apoiadores.
    Não sei onde chegaremos, considerando as mesmas dúvidas que te assolam.
    Então mesmo não concordando com seus conceitos básicos sociais/esquerdistas. Apesar de me considerar neutra, pois concordo que um pois tem necessidades sociais sim.
    Estamos todos no mesmo barco e na mesma solidão da incerteza do que será, virá e mais quem nos salvará ou terá condições de fazê-lo.

  50. O Brasil sofre mais um aborto. A nossa história é uma história de golpes (ou abortos).
    Uma parte da classe média sempre pega a doença contagiosa do ódio, inoculada diretamente no seu sangue por uma elite [1] e, como ela é desprovida de opinião e até da dúvida, transforma-se facilmente num instrumento dessa ira irracional, alimentado pela inveja e pelo preconceito que já carrega no seu DNA escravocrata desde o dia em que nasceu. O que estamos vivendo hoje é cíclico. Foi assim nos golpes no governo Vargas, culminando com a sua morte em 1954, no governo Jango em 1964, resultando em mais de 20 anos de ditadura militar, na campanha das diretas em 1984 – esse com a cumplicidade de Tancredo Neves, avô do playboyzinho de Minas -, que deu a posse da Presidência da República a José Sarney, egresso da Arena, partido dos militares e dos civis golpistas, filha da UDN e mãe dos PSDB, DEM e PPS, eleito de forma indireta por um congresso de maioria reacionária. Além das duas tentativas durante os dois governos do presidente Lula e do primeiro mandato da presidente Dilma, houve tantos outros golpes, tais como: “A Noite da Agonia”, em 12 de novembro de 1823, no Brasil império, quando D. Pedro I mandou o exército invadir o plenário da Assembléia Constituinte, e vários deputados foram presos e deportados; o “Golpe da Maioridade”, em 23 de junho de 1840, com o apoio do partido liberal (ovo da UDN), que pressionou o senado a declarar o jovem Pedro II maior de idade antes de completar 15 anos; a “Proclamação da República”, na verdade um levante político-militar ocorrido em 15 de novembro de 1889, derrubando a monarquia constitucional parlamentarista do Império do Brasil, pondo fim à soberania do imperador D. Pedro II; o “Golpe de 3 de Novembro”, quando o então presidente marechal Deodoro da Fonseca dissolveu o congresso nacional em 1891, considerado um dos estopins da “Revolução Federalista”; a “Revolução de 30”, movimento armado liderado pelos estados de Minas Gerais, Paraíba e Rio Grande do Sul, que depôs o presidente da república Washington Luís em 24 de outubro de 1930, impedindo a posse de Júlio Prestes, pondo fim à “República Velha”; a “Intentona Comunista” em novembro de 1935, uma tentativa de golpe contra o governo Vargas, realizado por militares em nome da Aliança Nacional Libertadora; o “Estado Novo”, em 1937, este liderado por Getúlio Vargas; o “Levante Integralista”, revolta armada contra o Estado Novo em 10 de maio de 1938; e finalmente (no momento não lembro de mais algum) a tentativa de impedir a posse de Juscelino em 1955: a posse de Juscelino e do vice eleito João Goulart só foi garantida com um levante militar liderado pelo ministro da Guerra, general Henrique Teixeira Lott, que, em 11 de novembro de 1955, depôs o então presidente interino da República, Carlos Luz, que teria tentado impedir a posse do presidente eleito. Enfim,a história do Brasil é uma história de sucessão de golpes. Conseguiram finalmente implementar o golpe mais recente, a partir de 2015, início do segundo mandato do atual governo, usando uma nova tática de paralisar o País, impedindo a sua governabilidade, tentando quebrar as nossas maiores e mais importantes empresas transnacionais brasileiras, e a nossa maior, mais estratégica e uma das maiores Estatais de petróleo do mundo. Estão, portanto, abortando mais uma vez, a mais importante mudança da nossa história, derrubando o Estado de Direito com a ajuda dos bandidos da mídia, do ministério público e do legislativo, utilizando o mesmo instrumento usado nos 20 anos de ditadura civil/militar – a corrupta, anti-republicana e criminosa polícia federal. Todo esse crime que está sendo praticado contra a Democracia, está sob o comando de um juiz/delegado caipira sem nenhuma expressão, oriundo de um dos rincões menos desenvolvidos do estado do Paraná. Esse herói tupiniquim de alguns moradores dos bairros nobres de certas capitais brasileiras e de alguns artistas escravos da rede globo foi escolhido cuidadosamente por essa elite [1], em troca de momentos de fama, medalhas e condecorações oferecidos pelos meios de comunicação, e, possivelmente, polpudas regalias financeiras, garantidas pelos grandes bancos e corporações petrolíferas internacionais. Sem falar, é claro, da sua segurança e da sua família, direito que tem como agente pago pelo órgão de inteligência norte-americano, financiado por esses grandes bancos. Contando com a sua torcida organizada, esse juiz, que nem a máfia do futebol aceitaria no seu time de árbitros, tem agora o apoio dessa parte sempre ludibriada e usada da classe média, para tornar-se o grande ditador e “salvador da pátria”, e assim assegurar a doação do resto do nosso patrimônio, sob as vistas de uma suprema (?) corte acovardada, cúmplice e igualmente humilhada, porque desprovida de qualquer moral e postura republicana, misturando-se na lama de um legislativo mais corrupto e reacionário de toda a história do Brasil.
    A nossa história, portanto, é uma história de sucessivos abortos institucionais. Com ou sem bancada evangélica.
    Haroldo Sá.

    [1] – Elite, termo já um pouco gasto em função da sua repetição nos debates atuais, mas ainda sem um nome que o substitua, é o setor da sociedade brasileira que corresponde a 1% da nossa população. Essa elite domina o Brasil desde o seu descobrimento. Ela é quem dita os rumos da nossa Nação. Tem sempre o apoio de setores da classe média, que se sentem como se parte dela fossem. Ela, essa elite, sempre abortou qualquer tentativa de ascensão social, política e econômica, tanto da classe média quanto, e principalmente, das classes menos favorecidas em toda a nossa história, por temer que chegue ao poder alguém que acabe definitivamente com a sua hegemonia, como aconteceu na Revolução Francesa. Quando isso ameaça acontecer, ela sai à luta, sempre se utilizando da alienação desses setores da classe média, dos meios de comunicação, dos políticos e juízes corruptos, e de governos que consegue cooptar. Quando isso não é possível, o golpe é inevitável. Essa elite não tem pátria nem endereço fixo. Difícil de identificá-la, mas apenas os seus tentáculos ligados aos grandes bancos, às grandes corporações – incluindo principalmente as do setor de petróleo – e aos serviços de inteligência por ela sustentados. Quanto menos politizada e menos educada uma Nação, tanto mais fácil para essa elite intervir na sua soberania e até derrubar governos eleitos democraticamente. Ela é o verdadeiro Estado, é quem manda em todos os governos de todos os Países do nosso Planeta. Atualmente, tenta abortar a construção do primeiro submarino nuclear brasileiro, quebrando o seu principal construtor, a Organização Odebrecht, entregar as maiores reservas de petróleo do mundo – o nosso pré-sal – às empresas de petróleo norte-americanas, quebrando a nossa Petrobras. Álvaro Alberto da Mota e Silva, cientista e almirante, brasileiro peça chave na criação do Programa Nuclear Brasileiro, e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), catedrático do Departamento de Físico-Química da Escola Naval, tendo no seu currículo o estudo da física nuclear, e hoje a maior autoridade do mundo neste assunto, foi criminalmente preso pelo inquisidor do Paraná, por representar uma das maiores ameaças a essa elite, que é o nosso Programa Nuclear. A entrada do Brasil no BRICS, bloco econômico e político de cooperação entre o Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, além da criação do Banco do BRICS, para fazer frente à hegemonia do FMI, deixou essa elite, os bancos americanos, de cabelo em pé, deflagrando uma ofensiva através dos órgãos de inteligência norte-americanos que eles sustentam, através de seus agentes, como o juiz Moro, e que não vacilam em destruir qualquer democracia e até executar presidentes. Foi assim que fizeram mais recentemente com Saddam Hussein, por este ter tido a infeliz ideia de transferir os seus ativos em dólar para o euro. Portanto, na realidade real, vivemos uma ditadura desde 1500. O resto é papo furado. A Revolução Francesa conseguiu neutralizar em grande parte o poder dessa elite, e a França, pelo menos, se tornou um País menos desigual.

  51. Parabéns pelo seu texto sensato e equilibrado. Particularmente, me sinto muito triste, apreensivo e desgostoso com esse país. Estamos perdendo uma oportunidade histórica única de corrigir as mazelas sócio-econômicas que nos vem desde a escravatura, e das quais nenhum governo anterior se ocupou. Estamos caminhando inexoravelmente para mais um golpe de estado nessa sofrida América Latina, onde a regra é que governos favoráveis ao povo não terminem seus mandatos, e isso apesar do alerta dado pelo próprio Lula há anos atrás. Por obra de um estamento judicial profundamente conservador, que trata de modo totalmente discriminativo os conservadores e os progressistas desse país, e de uma imprensa facciosa, perversa, profundamente reacionária – aqui cabe o termo muito adequadamente – que distorce, omite, mente, inventa, sobrevaloriza, subvaloriza, tudo conforme o seu interesse de produzir uma “verdade” a seu gosto martelando continuamente, meses a fio, e mesmo anos, as mesmas teses que, no geral, não tem fundamento algum. Afinal, o que tem o governo a ver com a corrupção da Petrobras, que o antecede em anos e mesmo décadas, que não é adstrita à Petrobrás mas é absolutamente geral no país, que se concentra em políticos de outros partidos – PP e PMDB – mais do que no PT? No entanto, essa imprensa usa a lava-jato insistente e malevolamente para criar uma versão segundo a qual o governo, e particularmente a presidente, é responsável por tudo, embora o governo detenha apenas 20% das ações da empresa e o assunto nem mesmo seja de interesse público tão grande: quem deveria se incomodar são os acionistas da Petrobrás, esses sim diretamente afetados, mas a esses não convém nem um pouco todo o escândalo que se criou em torno do assunto. Acusam a presidente inclusive de ser responsável por ter sido do conselho da empresa. Ora, desde quando um conselheiro fica sabendo das corrupções existentes dentro da entidade?
    De modo que o procedimento de nossa imprensa no caso não é apenas desonesto, tem cunho fascista, torcendo os fatos, criando versões. Uma meia verdade não é uma meia mentira. é uma mentira inteira, e nossa mídia se especializou em meias-verdades.
    Quanto aos políticos da oposição: a política brasileira sempre foi o paraíso de perversos e psicopatas. Perverso é aquele que se coloca no lugar da lei, isto é, que considera sua vontade como lei e a impõe aos outros, desrespeitando as leis sociais. O que dizer de alguém que, perdendo uma eleição, não se conforma com isso, mesmo a eleição tendo sido impecável do ponto de vista formal, e passa a criticar a vencedora por tudo e por nada, desonestamente – pois suas críticas são em geral injustas e ele sabe disso – insistentemente, insidiosamente? Alguém que, tendo holofotes, os usa para desestabilizar o governo, para criar um clima de conturbação social, para produzir uma ingovernabilidade crônica? Alguém que, tendo sido rejeitado pelas urnas, se acha ainda assim com direito de ocupar o cargo e sabota sistematicamente todo esforço de governança? Alguém que, em suma, não aceita de nenhuma maneira a derrota e tenta inverter a situação manipulando, torcendo, mentindo, iludindo? Pode haver melhor protótipo de ditador fascista?
    Ao que assistimos, pois, nesse país, é a um conluio, uma aliança tácita, de setores profundamente conservadores da sociedade, aí incluídos muitos juízes, com uma imprensa absolutamente inescrupulosa, que se aproveitam justamente de uma liberdade respeitada pelo governo para persegui-lo e tratar de derrubá-lo. Tratam de cooptar uma classe média sempre ansiosa por se unir ao andar de cima, e mesmo setores populares mal informados, sem capacidade de discernimento, para esse projeto de intolerância com a mudança, esse projeto de hegemonia política absoluta, esse projeto de manutenção de um status quo arcaico, retrógrado e explosivo (haja vista nossos índices de criminalidade, comprovadamente dos mais elevados do mundo em consequência das enormes desigualdades sociais). O que todos esses perversos senhores feudais não aceitam é que o país mude. Para isso, repetem o de sempre: golpe de estado, dessa vez com uma criativa inovação: um golpe jurídico, aparentemente tudo na legalidade. Se os militares estão desmobilizados, que se descubra outro caminho, mais sutil. O nazismo também tratou de ter aparência de legalidade todo o tempo.
    Os acontecimentos dos últimos dias me forçaram a desacreditar da honestidade política dos juízes atuando na lava-jato. O que se faz agora com Lula, pré-julgando-o, considerando-o culpado previamente, expondo suas conversas e desabafos privados, gravados com autorização da justiça e que por isso mesmo deveriam ter seu sigilo mantido – qualquer pessoa tem o direito de expressar na sua intimidade o que pensa e sente, mesmo que esteja errada – é chocante, surpreendente, alarmante: estamos entrando num estado de cunho fascista, paradoxalmente com um governo democrático e respeitador das instituições e das leis. A caça às bruxas é evidente: trata-se de destruir o PT inviabilizando todas as suas lideranças, acusando-as todas de qualquer coisa e de coisa nenhuma: de possuir um apartamento que não comprou e não pagou e do qual não tem escritura, de possuir um sítio que nunca adquiriu, de ter tido a intenção de adquirir um outro sítio, etc. No caso do mensalão, todos foram condenados sem provas e a tese da defesa não foi sequer levada em conta. Pode-se antever quem será o próximo perseguido: Jaques Wagner que se cuide.

  52. Roberto, sua análise assim como a do Haroldo estão certíssimas e saiba que venho dizendo isso ha muito tempo. Quem me conhece sabe disso. No entanto, parece que estamos clamando no deserto. Não adianta nada no futuro dissermos, bem que eu falei. Daí a solidão a que se referiu tão bem o Dr. Pio.

  53. Acredito que todos acima tem razoes para acreditar que estao certos. Sejam de direita ou esquerda, acredito que todos se fizeram entender e defender seu ponto de vista.Nao acredito que a atual situacao do pais seja por causa da ideologia de cada um.
    Nao acredito que a situacao atual do pais seja de alguma forma relacionada com os partidos no poder.
    Nao creio que os movimentos de apoio tanto pro ou contra o atual governo vao ou deverao influenciar no futuro do pais.Todos deveriamos despir-nos de nossa crenca politica, religiosa e idealista e nos basearmos apenas na cidadania, no ser humano, nas pessoas que comandam o pais atraves do Executivo, judiciario e legislativo.
    Nao cito partidos. realmente nao me importa qual legenda esta ou nao no poder.
    Desde que a maioria dos politicos estao nos partidos por conveniencia e nao por conviccao, nao nos cabe julgar os partidos. Mas este e um momento na historia do pais que estamos fazendo justica pelo que as pessoas praticaram. Nao os partidos. Nao acredito que deveriamos tomar partido pela sigla politica que cada um representa.Acredito que este e um momento que a justica deva ser feita para todos, independente do partido. Devemos deixar de ser hipocritas e deixar o poder judiciario fazer sua parte.
    Alguem aqui quer atirar a primeira pedra por defender um partido que nao tenha corruptos? Nao creio.
    Deixemos esta fanatica cegueira que nao nos deixa ver que por tras de nossa ideologia politica, vamos encontrar pessoas (nao partidos) com mas intencoes, que pouco se importam com o povo que eles juraram defender. Deixemos de ser ingenuos, vamos defender a verdade, nao importa a quem isto possa doer.
    Este e um momento unico em nossas vidas, nunca mais teremos a chance de mudar este pais pra sempre.
    Mudar este pais pra melhor. Vamos colher as ervas daninhas e estirpar o maximo possivel deste tumor maligno que esta no nosso meio e nao para de crescer. Vamos voltar a fazer politica pela nossa ideologia e pelo que cremos que pode ser uma direcao segura para o nosso pais e nao por pessoas carismaticas que usam a facilidade de ludibriar os ingenuos para roubar o dinheiro e exercer o poder no nosso pais. Vamos tirar todos os corruptos? Claro que nao, isto seria utopico, mas podemos mostrar que o povo e lucido e quer transformar este pais numa real democracia que ira beneficiar os futuros habitantes, que nada mais sao do que os nossos filhos. Facamos a diferenca. Aprendamos a falar nao. Aproveitemos o momento. Repito ele e unico.
    Lula e corrupto? nao me importa. Deixe que ele se defenda com a justica, mas usando seus proprios recursos.
    Nao recursos publicos. Ele e um cidadao como qualquer outro, unica diferenca e que ele foi ao contrario da grande maioria dos cidadaos um dia eleito pelo povo que depositou na sua figura um voto de confianca.
    Dilma, Aecio, Fernando Henrique, nao importa o nome ou o partido, todos devem obedecer a legislacao como todos nos. E se fizeram algo improprio, devem ser punidos como qualquer outro cidadao.
    Saude e felicidade para todos! Peco que nao me julguem pelo meu vocabulario, vivo fora do pais por muito tempo e devo ter esquecido as regras do portugues.

  54. Gostaria de comentar como se estivesse me opondo em um processo, destacando trechos e comentando-os mas seria extremamente longo. Como o sr. esta escrevendo como cidadão acredito que não vá utilizar estas linhas para me prender por desacato. O texto é o exemplo perfeito de como se joga areia nos olhos dos incautos, dos antecipadamente decididos de posição. Bem escrito, delicado “quase poema” como disse alguém em comentário anterior e tão tendencioso, cheio de “ódio”, mentiroso, vazio. Surpreende alguém com seu curriculo com o seu esperado conhecimento fazer este discurso tão pequeno tão cópia de tudo que os defensores da situação e de tudo que a ornamenta tal qual papagaios repetem.

  55. Assustador e lamentável defenderem um partido completamente corrupto e não defenderem o próprio país.
    Acho lamentável e assustador dizerem que a maioria da população brasileira está sendo manipulada pela mídia.
    Acho assustador e lamentável o apreço que algumas pessoas ainda possuem por partidos.
    Acho assustador e lamentável a podridão de tudo isso.
    Acho assustador e lamentável dizerem que é apenas a Elite branca desse país que está indignada e querem dar um golpe.
    Acho assustador e lamentável acharem que o Partido dos Trabalhadores está sofrendo represálias e outros não.
    Acho assustador e lamentável que algumas pessoas ainda tapam os ouvidos e os olhos para não enxergarem uma realidade que está na cara, exposta, sendo provada, porque outros partidos já roubaram no passado e eles também merecem punição (ninguém está dizendo o contrário).
    Acho assustador e lamentável o radicalismo e o fanatismo por partidos.
    Acho assustador e lamentável roubarem trilhões, bilhões, milhões de uma nação que ainda possui esgotos em céu aberto em plena rua, roubam da saúde matando pessoas diariamente por falta de alguma coisa, roubam da educação levando crianças a serem bandidos.
    Acho assustador e lamentável não se unirem em prol da verdade.
    Acho assustador e lamentável a criança pobre sonhar e depois descobrir que a realidade do país dela é falido e ela no mundo não mais acreditar.
    Acho assustador e lamentável pessoas que criticam pessoas que se manifestam porque simplesmente cansarão de tanto roubo, injustiça, falta de vergonha na cara, egoismo e podridão.
    Por fim, fico feliz quando vejo que uma nação acordou, que está nas ruas pelo seu direito, cantando o Hino Nacional com fervor, confiante, patriota, com a alma limpa e esperançosa por dias melhores.
    Fico feliz e satisfeito quando as pessoas não possuem vínculos com partido algum!

  56. Dr. Pio, fiquei feliz em constatar que também não estou só. Seu pensamento é pura sensatez e lucidez; um verdadeiro antídoto contra o veneno da insensatez, da irracionalidade e da incitação ao ódio que foi irresponsavelmente inoculado na mente e nos corações de importante parcela da nossa sociedade. Sua análise e conclusões dão luz à razão em meio às trevas da paixão. Prefiro não entrar no mérito das ideias concordantes e discordantes que foram escritas antes desta minha resposta. Quero apenas citar dois exemplos para ilustrar e servir de reflexão. O primeiro exemplo, foi o fato narrado por minha chefe hoje à tarde durante uma reunião de trabalho dando conta da agressão sofrida por um estudante de 9 anos, no interior de sua própria escola, simplesmente por que trajava uma camisa vermelha, no caso a camisa da seleção suíça. O segundo exemplo é sobre o extraordinário e crescente progresso que a cidade de Itapipoca, no norte do Estado do Ceará, alcançou nos últimos 13 anos. O comércio local, que até 2002 possuía pouco mais do que meia dúzia de mercearias, bodegas e armazéns e não mais que duas farmácias, hoje conta com filiais de pelo menos cinco grandes lojas de departamento e da maior rede de farmácias do país além das seis locais; às três pioneiras agências bancárias estatais – Banco do Brasil, Caixa e BNB – se juntaram as do Bradesco, do Itaú e de diversos correspondentes bancários de outros conglomerados financeiros que investiram milhões de reais só na aquisição dos terrenos. O fato inegável é que este município, fundado há 193 anos (fev/1823), nunca experimentou tal progresso. Por fim, considero oportuno ponderar que a maioria daqueles “indignados com a corrupção e com os desmandos do governo petista”, dirigem automóvel zero quilômetro importado, usam roupas de marca, consomem tecnologia cara e frequentam restaurantes que cobram R$14,00 uma garrafinha de cerveja long-neck (fora os 10% do garçom), situação esta que antes de 2003 era impensável e um privilégio para poucos. Talvez seja bom perguntar: sua vida melhorou ou piorou nos últimos 13 anos?

  57. Com todo respeito, mas o texto deveria ter o seguinte título “TAPANDO O SOL COM A PENEIRA” e me lembrou meu antigo “chefe”, diretor de uma empresa que trabalhei anos atrás. Ele dizia saber que o chefe do Depto de Compras aceitava umas “bolas”, mas que ele dava resultado no departamento de compras, então mesmo sabendo o deixava lá. É isso que percebi nos escritos acima. Porem este dava resultado ao que parecia e nosso atual governo?? Acabaram com a Petrobrás, limparam os cofres. Dia a dia lojas fechando, pais de famílias perdendo emprego. O País está um caos. Me perdoem, mas isso é conversa para boi dormir. Onde está a sensatez? Viva o Juiz Moro!!!! Viva! Viva! Se é que ele vai viver muito tempo. Já acabaram com o Celso Daniel por saber demais (muita coincidência né), o prefeito de Campinas, o líder do movimento contra o governo de Guarulhos e por aí vaí. E sinceramente penso que Moro não viverá muito não… Abram os olhos meus colegas! Essa galera do mal precisa sair… não percebem que estão tentando defender o indefensável.

  58. Espanta-me o medo que as pessoas têm da mudança. E entristece-me pensar que existem muitos, de quem se esperaria coragem e liderança para a mudança, queiram se contentar com as migalhas despedaçadas de um passado que não nos serve mais, que parecem preferir voltar a usar os trapos de ontem do medo da mudança para o amanhã. É preciso dar oportunidade para o novo. Somos todos beta, estamos todos em transformação. Dada a situação nova, aparecerão as soluções. Fico quase deprimido em ver este apego a um passado que não nos serve mais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.