Os democratas de Erdogan

Sei pouco de Erdogan. Sem pesquisar, sei que é presidente da Turquia, antes foi primeiro-ministro, fundou um partido para si, é sunita, mas mantém a religião longe do Estado, é inimigo da Síria, faz de conta que é contra o Estado Islâmico, reprime o povo curdo, assim como reprime a oposição interna e persegue a imprensa livre.

Na noite de sexta-feira, quando soube do golpe militar e vieram as primeiras notícias do seu fracasso, pensei: agora ele está com a faca e o queijo na mão. Há mesmo quem diga que ele próprio armou. Não sou tão adepto da teoria da conspiração, mas creio bem provável que sabia da conspiração e deixou que acontecesse.

Nada como um fato desses para quem enfrenta uma crise de popularidade e, mesmo sucessivas vezes reeleito, tem contra si uma oposição perseverante.

Dito e feito: para quem já governava o país com mão de ferro, estava dada a senha para amassar a oposição. Para se ter uma ideia, hoje declarou que o povo turco quer a pena de morte para os conspiradores. Não se espere clemência para seus inimigos, tenham ou não participado da tentativa de sua derrubada.

Mas, se digo tudo isso, não é para falar de Erdogan, embora o momento até fosse propício para manifestar solidariedade ao povo turco.

O que quero mesmo é falar sobre alguns comentários postos em redes sociais. Em particular, comentários de pessoas que se consideram politizadas e se manifestam contra o golpe no Brasil.

Nada contra comemorarem a derrota de um golpe de Estado, afinal é coerente com ser contra golpes, mas logo começaram a chover elogios rasgados à posição firme do presidente turco. Se, por exemplo, afastou quase três mil juízes, fez bem, porque eles conspiravam. Três mil juízes, entre os quais integrantes dos tribunais superiores, são sumariamente afastados no mesmo dia do fato, sem qualquer investigação, dando a entender que já havia uma lista pronta, e vejo democratas brasileiros vibrarem. Quando tento entender o motivo, o máximo que consigo ler é que é desse modo que devem ser tratados os golpistas.

Milhares de pessoas presas e demitidas? Perfeito, é isso mesmo. Está aproveitando o momento para perseguir a oposição? Está certo. Se mandar fuzilar, evidentemente a pedido do povo turco, vão achar bom também.

Não foram poucos os que vi se manifestarem desse modo. Todos contra o golpe no Brasil. Me lembraram um ex-presidente nosso, que prometeu restaurar a democracia e ameaçava quem pudesse se opor: prendo e arrebento.

Que parceria!