Mais plástico que peixes

Em 2050, haverá mais plástico que peixes nos oceanos. Mesmo para mim, que não consigo esperar nada de bom para nosso ambiente, atingido pelo aquecimento global e ameaçado pela corrida armamentista, agora reacendida pelas novas armas anunciadas por Putin, a previsão foi assustadora.

Chego com atraso à notícia, porque o prognóstico consta de relatório apresentado em janeiro de 2016 pela Fundação Ellen MacArthur ao Fórum Econômico Mundial; descubro-a enquanto leio sobre a proposta californiana de proibir o uso de canudos plásticos, cujo consumo, nos Estados Unidos, é de módicas 500 milhões de unidades por dia. (mais…)

Leia Mais

Algo de podre

Um dos grandes vexames internacionais do Governo Temer aconteceu em junho do ano passado, quando a Noruega comunicou a redução dos aportes ao Fundo Amazônia, por conta da recente reversão de expectativas em relação à redução no seu desmatamento.

Não que surpreendesse a decisão, dado o malogro na política de preservação da Amazônia, que atingiu seu menor índice de derrubadas em 2011-2012 e depois voltou a crescer, mas o fato de o anúncio ter ocorrido em plena visita oficial àquele país, com direito a uma frase desastrada do Ministro Sarney Filho, segundo o qual só Deus pode garantir a redução do desmatamento, foi notado como sintoma da nossa perda de prestígio internacional. (mais…)

Leia Mais

Intelectuais minerais

Sou de um tempo em que Gramsci gozava de grande fama, muitos carregavam seus livros e alguns até os liam. Na esquerda, evidentemente, porque, como hoje, para a direita ele era um perigoso comunista, esconjurado diante da simples lembrança do nome.

Naqueles tempos gramscianos, esperava-se das pessoas conscientes a capacidade de superar o pensamento abstrato, pensar criticamente o mundo e ter sobre ele uma atuação transformadora, o que as tornaria intelectuais orgânicos. (mais…)

Leia Mais

Tuiuti

Vou caminhar, mais por obrigação com a saúde que por gosto. Começo contornando a alta vegetação, característica das praças porto-alegrenses deste verão, e ouço, do extremo oposto, o som agudo do aparador de grama.

Torço que não estejam perto da pitangueira, para onde programei uma busca às temporonas. É bem lá que estão. Mesmo assim paro, consigo colher três ou quatro, enquanto troco algumas palavras com o que está mais próximo. (mais…)

Leia Mais

Acima da lei

Fui visitar o Datafolha. Queria entender a pesquisa, compará-la com a anterior, ver o que mudou. Contemplei aqueles números espalhados em dezenas de laudas, não sei se os entendi bem, mas concluí que de dezembro a janeiro tudo continuou igual.

Geralmente, nada há de significativo quando as coisas continuam iguais: porque inércia não é acontecimento. Mas aqui, ao menos para os desavisados, havia algo que poderia parecer intrigante: como o candidato recém condenado mantinha a liderança poucos dias após o julgamento do século? (mais…)

Leia Mais

Os juízes de Berlim

A frase tem vindo de vários quadrantes, sempre em tom de exultação: “Ainda há juízes em Berlim.”

Sei, é dessas expressões que se vulgarizam e com isso passam a ter seu sentido diluído. Nesse caso, passou a ser utilizada cada vez que alguém deseja comemorar uma decisão judicial, qualquer que seja.

Quando a conheci, ela ainda não era moda – tanto que não a conhecia –, e a vi num contexto em que quem a utilizou mencionava a corajosa resistência do Judiciário alemão ao nazismo. (mais…)

Leia Mais

Las Casas e García Márquez

Leio, de costas para Torquemada, que da parede oposta me lança seu terrível olhar: Judio, brujo, curandera, solicitante, eran sólo algunos de los calificativos usados para denunciar, juzgar y condenar a quienes se apartaban de la fe católica. Eran esos otros, considerados distintos. Personas desarraigadas de su tierra, pero que lograran traer consigo sus prácticas y conocimientos ancestrales; quienes llegaran por distintos motivos y creencias, todos mirados bajo la misma lupa que condenaba lo diferente.

Assim inicia a explicação introdutória, no primeiro quadro do Museo Histórico de Cartagena de Indias, dentro do Palacio de la Inquisición. Em Cartagena atuou, de 1610 a 1821, um dos três tribunais da Inquisição na América Hispânica, somente fechado por obra bolivariana após a independência. (mais…)

Leia Mais

O punitivista

Evolução da população prisional do RS na proporção por cem mil habitantes. Comentários livres sobre os efeitos na sensação de segurança. A questão foi apresentada por Sidinei Brzuska e serve de provocação aos defensores do encarceramento.

O punitivista empedernido, que dá de ombros a qualquer argumento contra as prisões – afinal, isso é coisa dos garantistas e do pessoal dos Direitos Humanos – dirá distraidamente: mas tem que ver que a população também aumentou. (mais…)

Leia Mais